França: candidato socialista propõe aumento de impostos para os mais ricos

Entre as principais propostas está a taxação de 15% sobre transações financeiras

João Novaes (*)

O candidato do Partido Socialista à Presidência da França, François Hollande, apresentou nesta quinta-feira (26/01), em Toulon, no sul da França, um plano de governo com 60 compromissos que defenderá durante a campanha.

Entre as principais medidas, está uma reforma tributária que aumentará os impostos de toda a população, mas principalmente da camada mais rica da população e dos bancos. A reforma inclui um aumento de 15% dos impostos cobrados sobre instituições financeiras. Caso eleito, Hollande também promete eliminar incentivos fiscais no valor de 29 bilhões de euros para a população mais rica, introduzidos sob a gestão de Sarkozy.

Efe

François Hollande lidera as pesquisas de opinião e pode tornar-se primeiro presidente socialista depois de François Mitterrand

“Eu prometo apenas aquilo que sou capaz de cumprir. Tudo o que é dito será feito”, afirmou o candidato socialista, que prometeu não se tornar um presidente “que precise explicar ao povo francês porque mudou de posição”.

As propostas foram consideradas pela mídia local uma resposta às acusações do atual presidente Nicolas Sarkozy, que concorre à reeleição, e de seu partido, o conservador UMP (União por um Movimento Popular) de que Hollande busca “prejudicar a classe média”. 

Outra proposta de relevância apresentada pelo candidato do PS está a rejeição do novo tratado europeu elaborado por Sarkozy e a chanceler alemã, Angela Merkel. Ele pretende renegociar o acordo, assinado por quase todos os membros da União Europeia, para privilegiar o crescimento do emprego e reorientar o papel do BCE (Banco Central Europeu) nessa direção,ao contrário das medidas de austeridade. 

Apesar da crise, o socialista promete criar 60 mil empregos no setor da Educação e 150 mil novos postos custeados pelo Estado para trabalhadores iniciantes.. Hollande também tem intenção de criar um banco público para o financiamento de pequenas e médias empresas. Em relação à questão do déficit habitacional, ele tem como meta a construção de 2,5 milhões de novos imóveis. O presidenciável também demonstrou sua intenção de reduzir a dependência à energia nuclear e investir em energias renováveis.

Efe

Militância do PS comemora propostas apresentadas por Hollande em Toulon

Entre outras medidas consideradas mais destinadas ao eleitorado de esquerda, o PS apoia o casamento de pessoas do mesmo sexo, incluindo o direito à adoção; a legalização da eutanásia; e o direito de voto em eleições locais para os estrangeiros legais que vivam na França há pelo menos cinco anos. Os franceses poderão voltar a se aposentar aos 60 anos, desde que tenham trabalhado por 41 anos. Hollande prometeu ainda limitar a alta dos aluguéis em algumas cidades do país.

Hollande espera ainda que a economia francesa cresça 0,5% esse ano (metade da previsão do governo), e prometeu diminuir o déficit fiscal para 4,5% do Produto Interno Bruto nesse ano, para 3% no ano que vem, zerando o índice até 2017.

O planto de governo do PS foi vazado para a imprensa francesa por militantes do partido antes do anúncio realizado nesta quinta-feira.

As pesquisas de opinião apontam para um segundo turno entre Hollande e Sarkozy, que se vê cada vez mais ameaçado pela candidata de extrema-direita, Marine Le Pen e pelo centrista François Bayroux, em ascensão. Hollande concentra 27,5% das intenções de voto no primeiro turno,que ocorrerá em 22 de abril, contra 24% de Sarkozy. Marine soma 17% e Bayroux, 14%, segundo o levantamento publicado pela rede de televisão LCI. Num eventual segundo turno, o socialista venceria com 56% de apoio. 

Comentários