Primeiro-ministro da Itália decide cortar funcionários de ministérios para poupar gastos

Medida visa à economia do equivalente a 65 milhões de reais

Ansa

 

O primeiro-ministro da Itália, Mario Monti, apresentou nesta sexta-feira (15/06) medidas para a contenção de despesas da Presidência do Conselho de Ministros e da pasta de Economia e Finanças. A decisão deve poupar 25 milhões de euros anuais dos cofres públicos (cerca de 65 milhões de reais).

O valor foi especificado pelo subsecretário da presidência do Conselho, Antonio Catricalà, em uma coletiva de imprensa após a reunião ministerial em Roma.

Uma nota do Palácio Chigi, sede do Governo italiano, detalhou que serão cortados 20% dos funcionários do Conselho e do Ministério de Economia e Finanças, e 10% dos funcionários nos demais órgãos.

A medida, justificou o governo, insere-se na tentativa de "revisão da despesa, que prevê que todos os ministérios apresentem intervenções de reordenamento e racionalização da despesa capaz de garantir economia no médio e longo prazo".

Comentários