Wikileaks: EUA sabiam de articulação entre Oviedo e Frutos para destituir Lugo

Desde os primeiros meses em que o ex-bispo assumiu o poder, os dois líderes políticos procuravam condições favoráveis para derrubá-lo

João Novaes


Desde 2009, a diplomacia norte-americana tinha conhecimento da existência de uma articulação política no Paraguai entre o general Lino Oviedo, apontado como o responsável por tentar um golpe de Estado em 1996, e o ex-presidente Nicanor Duarte Frutos para destituir Fernando Lugo da Presidência. As condições, no entanto, ainda não eram ideais. É o que afirma um comunicado da embaixada norte-americana em Assunção divulgado pelo site Wikileaks em agosto de 2011.

“Persistem rumores de que Oviedo, hoje eleito senador e líder do partido Unace [União Nacional de Cidadãos Éticos], e o ‘desacreditado’ ex-presidente Nicanor Duarte Frutos estão trabalhando juntos para assumir o poder por vias (quase) legais caso o presidente Lugo caia nos próximos meses. Seus objetivos comuns: capitalizar qualquer erro de Lugo que resulte na quebra da aliança política no Congresso, submeter Lugo a um impeachment e assegurar a supremacia política”, afirma o documento.

O documento filtrado pela organização de Julian Assange também mostrou algumas diferenças entre Lugo e seu então vice, Federico Franco, que assumiu o cargo nesta semana. Franco foi descrito pelos norte-americanos como “um político do Partido Liberal da velha escola com um ego super inflado e uma personalidade de trato difícil”.

Logo nos primeiros dias em que Lugo assumiu a presidência, ele foi informado que Oviedo e Frutos teriam se encontrado para articular sua queda. Lugo rapidamente denunciou o encontro questionando as “credenciais democráticas” de Oviedo. Desde então, a guerra entre Lugo e Oviedo foi aberta, tendo o ex-general ordenado que os congressistas da Unace barrassem qualquer tentativa de reforma de Lugo pelo Congresso. “Não há maior divisão política e pessoal em Assunção do que entre Lugo e Oviedo”, afirma o cabo. O cabo também alerta que Lugo estaria cercado de “tubarões políticos” em sua base aliada.
 


O informe lembra que, naquele momento, sem os liberais, seria impossível para que Frutos (do Partido Colorado) e Oviedo, da Unace, conseguissem os dois terços necessários nas duas casas legislativas para derrubar o presidente.

Antiga aliança

As articulações entre Frutos e Oviedo seriam antigas, já que, segundo a nota, o então chefe de Estado teria influído na decisão da Suprema Corte para tirar Oviedo da cadeia em 2006. Sua entrada na corrida presidencial também faria parte, segundo os EUA, de uma estratégia errada de Frutos para dividir a oposição na corrida presidencial de 2008, que elegeu Lugo. Oviedo, na verdade, acabou tirando os votos da candidata de Frutos, Blanca Ovelar.

 

Comentários

Leia Também