Senado russo aprova lei que proíbe adoção de crianças por pais dos EUA

Medida é represália à lei norte-americana que impõe restrições a funcionários russos por morte de advogado

Agência Efe


O Senado da Rússia aprovou nesta quarta-feira (26/12) por unanimidade uma lei que proíbe a adoção de crianças russas por parte de famílias dos Estados Unidos, e que foi criticada por vários ministros do governo.

A proibição, que recebeu o voto de 143 senadores, faz parte de uma norma em represália à "Lei Magnitski" aprovada pelos EUA e que impõe restrições a funcionários públicos russos pela morte, em prisão preventiva, do advogado russo Sergei Magnitski.

Desta forma, agora só falta a promulgação do presidente, Vladimir Putin, para sua entrada em vigor no dia 1º de janeiro.
 


A lei também proíbe as atividades das organizações que tramitam as adoções e suspende a vigência do acordo bilateral neste tema, assinado em julho passado.

Putin, que deu a entender na semana passada em sua entrevista coletiva anual que promulgará a iniciativa parlamentar, acusa os EUA de descumprirem o acordo bilateral e denunciou a morte de várias crianças russas por pais norte-americanos devido a maus tratos.

A vice-primeira-ministra de Assuntos Sociais, Olga Golodets, advertiu que o projeto de lei contradiz várias regulamentações internacionais, como a Convenção sobre os Direitos da Criança, o que foi negado ontem pelo Kremlin.
 

Comentários