Presidente da Bolívia expulsa agência dos EUA acusada de ingerência e conspiração

Evo Morales afirmou que a decisão se baseia no fato de que "não há mais espaço para a mentalidade de dominação"

Redação

O presidente da Bolívia, Evo Morales, determinou nesta quarta-feira (01/05) a suspensão das atividades e a expulsão dos integrantes da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (cuja sigla em inglês é Usaid). Morales acusa a organização de ingerência política nos sindicatos de camponeses e entidades sociais, além de conspiração contra o governo. A Bolívia expulsou em 2008 o embaixador dos EUA a agência de combate às drogas DEA pelo mesmo motivo.

Efe (01/05/2013)

Morales, em evento pelo Dia do Trabalhador: "pensaram que aqui se poderia manipular (...) mas esses são tempos passados”

Os EUA lamentaram a expulsão da agência e rejeitaram as acusações "infundadas" feitas ao seu trabalho, informou a AFP. Após cinco anos de tentativas de normalizar as relações entre ambos os países, "esta iniciativa é mais uma demonstração de que o governo boliviano não está interessado nessa visão", disse ontem o porta-voz do Departamento de Estado, Patrick Ventrell, em uma entrevista coletiva à imprensa.

A Usaid atuava no país há 40 anos, desenvolvendo projetos em setores como saúde e meio ambiente. "Decidimos expulsar a Usaid da Bolívia, que saia a Usaid da Bolívia, peço ao irmão chanceler [David Choquehuanca] que comunique imediatamente à Embaixada dos Estados Unidos”, disse o presidente no discurso do Dia do Trabalho.

Documentos confidenciais dos EUA, revelados pelo Wikileaks, mostraram que Washington utilizava a Usaid na Bolívia para fomentar a divisão entre movimentos sociais, principalmente indígenas -- base de sustentação do apoio a Evo. 

“Seguramente pensaram que aqui se poderia manipular politicamente e economicamente [os bolivianos], mas esses são tempos passados”, acrescentou Morales. Ele reiterou que o objetivo é manter relações de igualdade entre a Bolívia e os EUA, mas, segundo o presidente, não há mais espaço para a mentalidade de dominação.

“Seremos um pequeno país, mas igual, e merecemos respeito. A expulsão da Usaid é também um protesto ao chanceler [John Kerry], que disse que a América Latina é um quintal dos Estados Unidos”, disse Morales.

A Usaid está na Bolívia desde 1964 e atua na promoção de projetos de saúde pública, desenvolvimento sustentável e meio ambiente. Em novembro de 2008, o governo Evo Morales deu a mesma ordem para os integrantes da Agência Antidrogas dos Estados Unidos (cuja sigla é DEA). Na ocasião, a acusação foi semelhante à da Usaid.

* Com informações da ABI (Agência Boliviana de Informação) e AFP

Comentários

Leia Também