Paris lança campanha para população ser mais gentil com turistas

Manual ensina cumprimentos em oito idiomas, inclusive em português

Marina Castro

Uma das cidades mais visitadas do mundo, mas conhecida pela grosseria e falta de educação com estrangeiros, Paris acaba de iniciar uma campanha para seus habitantes serem mais gentis com turistas. A CCI (Câmara de Comércio e Indústria de Paris, na sigla em francês) e a CRT (Comissão Regional de Turismo) lançaram nesta terça-feira (17/06) um manual intitulado Do you speak Touriste?, com o objetivo de ensinar os parisienses a lidarem com turistas.

Wikicommons

Torre Eiffel é uma das atrações mais visitadas na capital francesa


O manual de seis páginas contém cumprimentos em oito línguas diferentes, incluindo alemão, chinês e português, informa sobre os hábitos culturais de diversas nacionalidades e está sendo distribuído para 30 mil profissionais do turismo na cidade. As informações estão contidas também no site oficial do projeto.

O guia explica que “os britânicos gostam de ser chamados pelo primeiro nome”, enquanto os italianos apertam as mãos ao se cumprimentar, por exemplo. Os chineses, turistas que mais têm visitado a cidade recentemente, são descritos como “compradores ferventes”, que ficarão “plenamente satisfeitos” com um simples sorriso ou um cumprimento em sua língua.

François Naverro, da CRT, afirma que o objetivo da campanha é “focar na qualidade da recepção que os visitantes têm em Paris e treinar os profissionais daqui para entender as diferenças entre eles”.

Apesar de Paris ter sido visitada por cerca de 29 milhões de pessoas no ano passado, tanto a CCI quanto a CRT alertam que a competitividade crescente de cidades mais “amigáveis”, como Londres, levam a capital da França a se esforçar mais para atrair turistas, especialmente os dos países emergentes.

A França é o principal destino de turistas no mundo e esses visitantes ajudam a criar empregos em hotéis, museus e restaurantes do país, além de serem um incentivo bem-vindo à economia em um momento de pouco consumo interno.

Comentários