Monocultura, transgênicos, agrotóxicos e precarização afetam camponeses da Costa Rica

Produtor de banana e abacaxi, país privilegia agroexportação e tem uma das mais baixas taxas de sindicalização da região

Giorgio Trucchi

A Costa Rica, comumente conhecida como a “Suíça da América Central”, foi considerada, pela segunda vez consecutiva, o país mais feliz do planeta. Uma nação, assegura o Índice Happy Planet da Fundação Nova Economia, onde “seus habitantes vivem vidas longas e felizes usando apenas uma fração dos recursos do planeta”. Este reconhecimento é somado ao que as Nações Unidas deram ao país ao colocá-lo na 12ª posição entre aqueles com mais alegria no mundo, e na primeira entre os da América Latina.

Leia mais: Maior consumidor mundial de agrotóxicos, Costa Rica tem alta incidência de leucemia infantil
Costa Rica: agricultores relatam más condições e ameaças contra sindicalização

Giorgio Trucchi/Opera Mundi

Plantação de abacaxi na Costa Rica. País tem apoiado modelo agroindustrial baseado na expansão das monoculturas

Para a pequena nação centro-americana, que em 1948 chegou a abolir seu Exército, a imagem de um país verde, seguro e feliz tem sido um selo de garantia amplamente aproveitado e explorado internacionalmente para promover o turismo e o investimento estrangeiro. Entretanto, dentro desse pacote de presente, há muito por se descobrir e histórias para contar.

Durante as últimas décadas, a Costa Rica tem apoiado um modelo agroindustrial baseado na expansão das monoculturas em grande escala. Dos 580 hectares de terras plantadas no país, quase 61% correspondem a cultivos industriais para exportação, com destaque para o café (19,7%), o azeite de dendê (12%), a cana de açúcar (11,5%), o abacaxi (9%) e a banana (9,8%). Somente 22% desses hectares estão destinados ao cultivo de grãos básicos, de acordo com a Sepsa (Secretaria Executiva de Planejamento do Setor Agropecuário).

Leia especial sobre os 4 anos do golpe em Honduras:
Crise mundial e golpe de Estado castigaram economia hondurenha
Em ascensão, nova força de esquerda em Honduras teme violência político-eleitoral
Defenderemos os votos também nas ruas, diz candidato à vice-presidência de Honduras


Prova disso é a situação que, por exemplo, vive a população de Pococí, no Caribe costarriquenho, onde, a partir dos anos 80, a monocultura da banana foi rapidamente substituindo a produção de grãos básicos. Agora, com a proliferação também da produção de abacaxi, os habitantes desta vasta região caribenha sofrem um grave desabastecimento de alimentos e um forte aumento dos preços.

Além disso, a expansão descontrolada do plantio do abacaxi ocasionou sérios problemas ambientais. As comunidades do Estado de Limón têm denunciado repetidamente a contaminação das águas subterrâneas e as difíceis condições de trabalho, dando início a uma campanha para que se declare uma moratória ao plantio de abacaxi nacionalmente.

Expansão do abacaxi

Apesar da crescente importação de alimentos e de seu efeito sobre o aumento do déficit na balança comercial, a Costa Rica segue com o projeto de expansão de seu modelo agroexportador, com um aumento da pressão sobre o solo e os recursos naturais.

Na última década, a produção de abacaxi chegou a um auge nunca antes visto em outras áreas, igualando-se em pouco tempo ao histórico cultivo de banana. De acordo com dados da Sepsa, a área de plantio de abacaxi quadruplicou entre 2002 e 2012, ao passar de 11 mil para 45 mil hectares.

No entanto, a Frenasapp (Frente Nacional dos Setores Afetados pela Produção de Abacaxi, por sua sigla em espanhol), assegura que a sua extensão chegaria a cerca de 60 mil hectares. No mesmo período, o valor das exportações da fruta aumentou cerca de 650%, passando de 121 milhões de dólares, em 2000, para 791 milhões, em 2012 (Procomer - Promotoria do Comércio Exterior da Costa Rica).

Leia mais:
Mostramos à sociedade que é possível fazer justiça, diz juíza que condenou ex-ditador da Guatemala

Atualmente, esse setor está nas mãos de cerca de 1300 produtores – entre pequenos (1200), médios (95) e grandes (35) — e gera cerca de 27 mil empregos diretos. 35% da área de produção pertencem às grandes empresas comerciantes e às transnacionais fruteiras norte-americanas e 65% aos produtores independentes.

De acordo com Abel Chaves, ex-presidente da junta diretiva da Canapep (Câmara Nacional dos Produtores e Exportadores de Abacaxi, por sua sigla em espanhol), o setor já cresceu de norte a sul e de leste a oeste do país, e estaria chegando ao limite da área de cultivo. Por causa da grande contribuição econômica e o impacto que tem tido sobre a geração de empregos, Chaves assegura que o país vai precisar continuar expandindo esse tipo de cultivo. “Se o mercado está pedindo mais abacaxi, então vamos plantar mais abacaxi”, disse.

A Canapep sempre minimizou o impacto negativo da expansão do abacaxi sobre o meio-ambiente e sobre o ser humano. No entanto, para várias organizações sociais e sindicais, a busca por novos territórios aumentaria ainda mais a pressão sobre o recurso da terra, da água e sobre a força de trabalho, o que reforça as denúncias que nos últimos anos têm se multiplicado, tanto nacional como internacionalmente.

Contra os sindicatos

Didier Leitón Valverde é secretário geral do SITRAP (Sindicato dos Trabalhadores de Plantações Agrícolas), organização radicada no cantão (município) de Siquirres, no estado de Limón, no Atlântico costarriquenho.

Leia mais:
Protestos chamam atenção para drama de imigrantes irregulares em plantações italianas

Ele se lembra muito bem de quando, em 1999, as principais multinacionais bananeiras norte-americanas – Del Monte, Dole, Chiquita – arremeteram contra as organizações sindicais. Demitiram todos os trabalhadores e voltaram a contratá-los, mas com salários reduzidos pela metade e tirando todas as garantias coletivas e os benefícios sociais.

Leitón e boa parte dos ativistas sindicais foram incluídos em uma “lista negra” e nunca mais encontraram emprego nas plantações. Foi assim que ele começou a se dedicar em tempo integral a organizar sindicalmente os trabalhadores.

Giorgio Trucchi/Opera Mundi

Leitón e boa parte dos ativistas sindicais foram incluídos em uma “lista negra” e nunca mais encontraram emprego nas plantações

“Na Costa Rica, há uma atitude antissindical institucional e a empresa privada aproveita disso. Há uma cultura, que tem sido inculcada nas novas gerações, que equipara o sindicalismo à greve, confrontação, violência, destruição da empresa e corrupção. Isso é algo muito arraigado e os empresários impuseram o modelo ‘solidário’ pró-patronal como alternativa”, explica o dirigente sindical ao Opera Mundi.

Atualmente, 92% da população economicamente ativa da Costa Rica trabalha no setor privado e a taxa de afiliação sindical não chega aos 2%, um das mais baixas da América Latina.

Leia mais:
EUA iniciam por Honduras fortalecimento da presença militar na América Central
Após três anos, poder em Honduras segue nas mãos de golpistas
Honduras foi laboratório para novo tipo de "golpe institucional" no Paraguai
É hora de reverter o golpe de Estado, diz candidata à Presidência de Honduras
Obama indica filho de golpista hondurenho como assessor para América Latina


Nas plantações, sobretudo na monocultura do abacaxi, é onde mais se sente a onda antissindical. “A maioria das denúncias que recebemos se refere à violação da liberdade sindical e da convenção coletiva, direitos que são protegidos pelos Convênios 87 e 98 da OIT (Organização Internacional do Trabalho). Ainda assim, há fortes queixas sobre as difíceis condições de trabalho, as extenuantes jornadas, o maltrato, a falta de segurança e de higiene ocupacional e a exposição a agrotóxicos”, ressalta Leitón.

Comentários