Alemanha afirma não aceitar que EUA fiquem impunes por espionagem

Ministro alemão defende que Washington sofra retaliações por esquema de vigilância massiva

Redação

O ministro do Interior da Alemanha, Hans-Peter Friedrich, afirmou na manhã desta segunda-feira (28/10) que o país não aceitará que Washington não sofra consequências pelo escândalo de espionagem. "Espionar é um delito e os responsáveis devem responder por isso", disse em entrevista à imprensa local.

Leia mais:
EUA espionaram 60 milhões de conversas na Espanha em apenas um mês

Além disso, a Alemanha alertou ontem (27) os EUA que "em solo alemão, rege a lei alemã" e deixou claro que essa máxima é válida para todos, "para alemães e estrangeiros, para cidadãos e empresas e também para diplomatas e embaixadas". "Nós queremos saber exatamente o que aconteceu", reiterou Friedrich.

Agência Efe

Embaixada dos EUA na Alemanha: governo alemão afirma que "empresas e embaixadas estrangeiras estão sob a legislação do país


As declarações fazem com que Berlim suba o tom do discurso contra as denúncias de espionagem de Washington. Até então, Angela Merkel adotou postura parecida com a de Dilma Rousseff:  repreender veementemente os norte-americanos pela prática de vigilância. Com o anúncio de acordo com a França para frear a NSA (sigla em inglês para Agência Nacional de Segurança) e as declarações Friedrich, o governo alemão dá agora mostras que deseja retaliar a administração Obama.

Espanha também critica EUA

O ministro das Relações Exteriores da Espanha, José Manuel García-Margallo, declarou hoje (28) que disse ao embaixador dos Estados Unidos em Madri, James Costos, sua "séria preocupação" em torno da suposta espionagem norte-americana, um fato que, "se for confirmado", poderia supor "a ruptura do clima de confiança" entre ambos os países.

Leia também:
Discurso nacionalista ganha força contra imigrantes na Rússia

Segundo informações da Agência Efe, García-Margallo afirmou, no entanto, que a Espanha "não tem confirmação oficial" da suposta espionagem. Washington vigiou mais de 60 milhões chamadas telefônicas na Espanha em apenas um mês, entre o fim do ano passado e o início de 2013, de acordo com documentos citados hoje (28) pelo jornal espanhol El Mundo.

Comentários