Cúpula do Clima: pobres são os mais vulneráveis em desastres por mudanças climáticas, diz Dilma

Presidente brasileira defende que mundo precisa combater contradição entre desenvolvimento da economia e danos ambientais; ela está em reunião na ONU

Redação

Agência Efe

Durante Cúpula do Clima, Dilma Rousseff pediu à comunidade internacional empenho em questões ambientais

A presidente Dilma Rousseff discursou na manhã desta terça-feira (23/09) em Nova York durante a Cúpula do Clima, organizada pela ONU (Organização das Nações Unidas) para debater questões ambientais. Ela defendeu que os esforços para combater mudanças climáticas devem estar acompanhados da redução da pobreza.

“Os pobres são os mais vulneráveis em desastres causados por mudanças climáticas. Por isso, a comunidade internacional precisa enfrentar a contradição entre o desenvolvimento da economia e os danos ambientais”, disse.

Leia também:
Mais de 300 mil pessoas marcham em Nova York por melhores condições ambientais

Dilma também afirmou que o Brasil "está sintonizado com os anseios de milhares pessoas que foram às ruas de Nova York" para pedir melhores condições ambientais. “O mundo precisa de medidas justas, ambiciosas e eficazes para enfrentar o desafio ambiental”, disse a presidente, que é acompanhada pelo chanceler Luiz Alberto Figueiredo.

A Cúpula do Clima reúne chefes de Estado, de governo e representantes de 125 países. O encontro foi convocado pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, como um chamado ao "engajamento internacional" - em prol da preservação ambiental e da redução dos efeitos das mudanças climáticas.

De acordo com o jornal The New York Times, Ban Ki-moon – que participou da marcha no último domingo - tenta pressionar os países a ter compromisso com o tema, principalmente, pela necessidade de um consenso quanto ao acordo político pendente sobre o clima - que deverá ser votado em 2015.

Com a Cúpula do Clima, a ONU espera que os presidentes apresentem "sugestões públicas"para lidar com as mudanças climáticas. Ban Ki-moon chegou a pedir nas últimas semanas que os líderes participantes do encontro trouxessem "medidas concretas".

Uma das principais reivindicações de ativistas – como na marcha em Nova York - e de especialistas em desenvolvimento sustentável é a redução da participação do setor privado e do mercado em negociações sobre o clima.

(*) Com informações da Agência Brasil e NYT

Comentários

Leia Também