Polícia suíça prende ex-presidente da CBF José Maria Marin e executivos da Fifa por suspeita de corrupção

Suspeitas recaem sobre mais de US$ 100 milhões referentes a contratos de marketing, direitos televisivos e organização de torneios

ANSA

O ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) José Maria Marin e outros seis dirigentes da Fifa foram presos nesta quarta-feira (27/10) pela polícia suíça, em uma operação surpresa a pedido dos Estados Unidos. Eles estão sendo investigados pela Justiça norte-americana por suposto esquema de corrupção.

O Departamento de Justiça dos EUA pediu a detenção de Marin, de Jeffrey Webb, Eduardo Li, Julio Rocha, Costas Takkas, Rafael Esquivel e Eugenio Figueredo. De acordo com fontes locais, pode chegar a 14 o número de acusados.

Fotos: Agência Efe

Marin, ex-presidente da CBF, foi preso nesta quarta-feira na Suíça

Logo nas primeiras horas da manhã, a polícia suíça deflagrou uma operação no luxuoso hotel Baur au Lac, em Zurique, onde alguns dos cartolas estavam hospedados para o encontro anual de dirigentes da Fifa.

No entanto, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, de 79 anos, não está entre os acusados. Até o momento, o número um da instituição é alvo apenas de investigação. Na presidência da Fifa desde 1998, quando sucedeu João Havelange, Blatter deve ser reeleito na próxima sexta-feira (29) para seu quinto mandato consecutivo. Seu único adversário na disputa é o príncipe da Jordânia, Ali bin Al-Hussein.

As suspeitas de corrupção recaem sobre mais de US$ 100 milhões que teriam sido movimentados nos últimos 20 anos e se referem a contratos de marketing, direitos televisivos e organização de torneios. A Fifa foi investigada há anos pelo FBI e sempre negou as acusações. Agora, os EUA devem pedir a extradição dos suspeitos.


Além do processo nos Estados Unidos, as autoridades suíças recolheram hoje documentos na sede da Fifa em uma investigação sobre a escolha das sedes dos mundiais de 2018 e 2022, que serão disputados na Rússia e no Qatar, respectivamente.

Logo após a notícia das prisões, o ministro russo do Esporte, Vitali Mutko, afirmou à mídia local que as investigações não estão relacionadas à organização do torneio no país. "Vimos que algumas pessoas foram presas. Muitas delas não têm relação nenhuma com a análise dos requisitos para sediar o mundial e não eram membros do comitê executivo da Fifa", destacou.


FBI investiga suspeitas de corrução entre membros da entidade máxima do futebol

Futuro

De acordo com o porta-voz da Fifa, Walter De Gregorio, apesar das prisões, o congresso anual da entidade em Zurique continuará, assim como a eleição presidencial de sexta-feira. De Gregorio também garantiu que as Copas do Mundo de 2018 e 2022 serão disputadas "normalmente".

Sobre a situação de Blatter, o porta-voz contou que ele está "calmo" e que "não renunciará ao cargo". Segundo o porta-voz, a Fifa é a parte "prejudicada" no episódio, portanto, está "colaborando" com as autoridades. 

Comentários