Amigos, familiares e internautas se unem em busca de informações de brasileira no Facebook e Twitter

Amigos, familiares e internautas se unem em busca de informações de brasileira no Facebook e Twitter

Thaís Romanelli

O ataque de Israel contra a frota de barcos que levava mais de 750 pessoas e ajuda humanitária a Gaza preocupa os brasileiros não apenas pelas questões diplomáticas e humanitárias. Iara Lee, produtora e cineasta brasileira, era uma das pessoas a bordo e, desde a operação militar, familiares e amigos não sabem de seu paradeiro.

Comunicando-se via internet até ontem à noite, Iara informou que o barco se aproximava da Faixa de Gaza, mas que naquele instante ela “temia por sua segurança”, pois a embarcação havia sido interceptada e cercada por Israel. Até agora, segundo o Canal 10 da televisão israelense, o ataque deixou 19 mortos e 36 feridos.

Leia também:
Galeria de imagens: reações ao redor do mundo
Brasil convoca embaixador israelense para consulta
Carta da Flotilha da Liberdade, por Iara Lee

Na internet, familiares e amigos buscam informações sobre seu paradeiro. No Facebook, mais de 20 pessoas de diversos lugares do mundo escreveram na página pessoal de Iara para tentar estabelecer contato.



Em sua última mensagem, postada as 20h de Brasília, a brasileira informou que em Istambul, Turquia, milhares de pessoas estavam protestando em frente ao consulado israelense e convocou a todos a fazerem o mesmo em suas cidades. “Precisamos da sua ajuda para impedir Israel de atacar nossa flotilha humanitária em Gaza”, escreveu.

No Twitter, as notícias sobre o ataque e o caso de Iara estão entre os mais divulgados. Os usuários, além de retwittar a notícia, usam o microblog para obter mais informações sobre a brasileira. “Minha mestra Iara Lee tava no comboio que foi atacado por Israel. Ninguém tem notícias. Tô arrasado!”, postou o paulista Fabiano Liporoni.

No final da tarde de hoje, o embaixador de Israel no Brasil, Giora Becher, disse que Iara Lee não está na lista atual de mortos e feridos durante o ataque de tropas israelenses a navios de ajuda humanitária, apurou o site de notícias G1.

“Até agora sabemos que ela está na lista dos passageiros. Não está na lista de mortos ou de feridos, mas todas as listas não estão concluídas, não é uma lista final”, disse.

O embaixador afirma que a lista deve ser concluída até a meia-noite (horário de Brasília).

Leia também:
Israel face à sua história, por Eric Rouleau
Opinião: Quem é o ingênuo, Thomas Friedman?
Opinião: Governo de Israel ofende o povo brasileiro
Entrevista: pessimismo impera entre crianças de Gaza
Crise e falta de recursos comprometem ajuda da ONU a Gaza
Embargo de Israel impossibilita reconstrução de Gaza, afirma ONU

Já o editor Luis Sucupira, do Rio de Janeiro, também demonstrou preocupação: “Nada justifica! Resta agora saber onde está Iara Lee, a cineasta brasileira que estava no comboio de ajuda humanitária”.



“Não há informações sobre a ativista brasileira Iara Lee, que estava no comboio que levava ajuda para a Faixa de Gaza, precisamos quebrar o silêncio contra Israel e fazer barulho”, escreveu o cientista político de Minas Gerais, Gerson Abreu.

O usuário @alexsilvaonline, diz: “comboio humanitário é atacado: Manifestamos indignação com o incidente e a nossa preocupação com a situação da cidadã brasileira, Iara Lee”.

Hoje, uma carta oficial foi enviada ao ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, oficializando o pedido de amigos de Iara para que o Itamaraty tome as providências cabíveis e necessárias para assegurar a vida e a integridade da brasileira.

Atualizado às 19h

Siga o Opera Mundi no Twitter

Comentários

Leia Também