'A traição do Brasil': matéria de capa da The Economist diz que impeachment não resolverá crise econômica

Revista britânica diz que toda a classe política decepcionou os brasileiros e não apenas a presidente Dilma Rousseff; publicação defende eleições gerais

Redação


Clique para acessar todas as matérias e artigos de Opera Mundi e Samuel sobre o processo de impeachment

Em matéria de capa intitulada “A Traição do Brasil”, veiculada nesta quinta-feira (21/04), a revista britânica The Economist afirma que toda a classe política decepcionou os brasileiros e não apenas a presidente Dilma Rousseff. Apesar de acreditar que a possível saída da mandatária não provocará um sentimento de luto entre os brasileiros, a revista afirma que o impeachment não resolverá as crises política e econômica atravessadas pelo país.

“Não foi apenas Dilma que falhou. Toda a classe política decepcionou o país por meio de uma mistura de negligência e corrupção. Os líderes brasileiros não irão ganhar de volta o respeito de seus cidadãos ou superar os problemas econômicos a não ser que seja feita uma meticulosa limpeza”, escreveu a Economist.

Antonio Augusto/Fotos Públicas

Câmara dos Deputados durante votação do processo de impeachment; classe política decepcionou brasileiros, diz Economist

A publicação acredita que a saída para crise política no país seria a realização de novas eleições gerais.

Capa da revista britânica 'The Economist'Para a publicação, a melhor saída para o Brasil seria a realização de eleições gerais, para que os eleitores tenham a chance de “se livrar de um Congresso Nacional infestado de corrupção”.

“Apenas novos líderes e legisladores poderão realizar as reformas fundamentais que o Brasil precisa”, argumenta a revista.

No entanto, ela reconhece que novas eleições podem tardar a ocorrer, visto que é “improvável” que o Congresso aprove a emenda constitucional necessária para a realização de um pleito geral ou até mesmo presidencial. Assim, “existe uma boa chance de que o Brasil continue condenado a se debater sob a atual geração de líderes descreditados” até as próximas eleições, conclui a publicação britânica.

Comentários