Argentina precisa de 'Brasil forte, sólido e institucional', diz chanceler

Susana Malcorra afirmou que Buenos Aires acompanha situação e que é necessário ver como processo 'avança' para poder discutir cláusula democrática

Agência Efe


Clique para acessar todas as matérias e artigos de Opera Mundi Samuel sobre o processo de impeachment

A chanceler da Argentina, Susana Malcorra, afirmou nesta quinta-feira (28/04) que seu país precisa de "um Brasil forte, sólido e institucional", em referência à crise política do outro lado da fronteira.

"Nós precisamos de um Brasil forte, sólido e institucional, porque, se não for assim, nosso principal aliado se torna não confiável. Não só para nós, mas para o mundo, e isso é ruim", ressaltou.

Em entrevista coletiva no Palacio San Martín, sede da Chancelaria argentina, Malcorra disse que os chanceleres da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) acompanham de perto o processo que pode levar ao impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Agência Efe

Malcorra: precisamos de Brasil forte, sólido e institucional


"Estamos em contato permanente com nossos colegas da região", ressaltou.

"Temos que ver em função de como (o processo) avança, se a aplicação da cláusula democrática é ou não factível", acrescentou, questionada sobre uma eventual decisão da Unasul e do Mercosul de agir nesse sentido.

Ela reconheceu que a situação do Brasil "tem impacto direto" na balança comercial entre os dois países.

"É um impacto muito duro, muito difícil de compensar para a Argentina", especialmente porque o país "tem cadeias de valor muito integradas com o Brasil", explicou. "Se o consumo interno do Brasil vier abaixo, essa cadeia definitivamente diminui", acrescentou.

Além disso, a encarregada das relações exteriores no governo de Mauricio Macri pediu "cuidado" sobre análises do momento político no Brasil. "Estamos muito envolvidos, mas devemos ser muito cuidadosos e respeitosos", destacou.

Malcorra declarou que a Chancelaria argentina fala "permanentemente" com o Brasil, enquanto tenta "compreender a dinâmica" do processo, que tem aspectos "legais" e "políticos".

Comentários