'Mais poderoso e corrupto político do Brasil acaba de cair', diz Forbes sobre Cunha; veja repercussão

Mídia internacional comenta afastamento de Cunha; para ‘Financial Times’, acontecimento é ‘histórico’; para 'BBC', 'dramático'

Redação


Clique para acessar todas as matérias e artigos de Opera Mundi e Samuel sobre o processo de impeachment


Em artigo publicado nesta quinta-feira (05/05), a revista de negócios norte-americana Forbes comentou a suspensão pelo Supremo Tribunal Federal do presidente da Câmara dos Deputados brasileira, Eduardo Cunha, afirmando que “o mais poderoso, e corrupto, político do Brasil acaba de cair”.

“Brasileiros preocupados com a excessiva corrupção em seu sistema político têm motivos para comemorar hoje: o homem que muitos consideram o político mais corrupto do Brasil — um título pelo qual muitos competem — foi afastado”, escreveu a autora, Shannon Sims.

Agência Efe

Eduardo Cunha foi suspenso da presidência da Câmara dos Deputados

Para a Forbes, a saída de Cunha não era “de jeito nenhum, inevitável”. O deputado foi suspenso do cargo de presidência da Câmara dos Deputados por supostamente ter intimidado congressistas e obstruído investigações de corrupção contra ele. Como resultado, ele também poderá perder seu posto na linha sucessória caso haja o impeachment da presidente, Dilma Rousseff, e a posição seja assumida pelo atual vice, Michel Temer.

Repercussão

Outros veículos da imprensa estrangeira também comentaram a saída de Cunha. Para o jornal britânico Financial Times, a decisão do STF de suspender o parlamentar é “histórica”. Para a BBC, “dramática”e pode ter vindo "tarde demais" para evitar impeachment de Dilma. Já de acordo com o norte-americano New York Times, a medida apenas aumenta a instabilidade política do Brasil e também "não deve salvar" o governo da mandatária.

No entanto, em análise do jornal espanhol El País, o afastamento do “sempre polêmico” Cunha impediu-o de “conseguir derrubar sua arqui-inimiga [a presidente Dilma Rousseff] e se converter em vice-presidente”.

Comentários