Imprensa internacional repercute manifestações contra impeachment de Dilma Rousseff

Veículos de comunicação destacaram bloqueios de rodovias e paralisações convocadas por centrais sindicais e MST

Redação


Clique para acessar todas as matérias e artigos de Opera Mundi e Samuel sobre o processo de impeachment


As manifestações de centrais sindicais e organizações sociais, realizadas nesta terça-feira (10/05), contra o impeachment da presidente brasileira, Dilma Rousseff, repercutiram na imprensa internacional

A emissora multiestatal Telesur falou sobre o bloqueio de rodovias em sete estados e citou as paralisações convocadas pela CUT (Central Única dos Trabalhadores).

O veículo ressaltou que as organizações utilizaram as redes sociais para convidar “os cidadãos para expressar seu contundente repúdio às ações que impulsiona a direita desse país”.

 

O jornal argentino Pagina 12 também destacou os bloqueios em rodovias e mencionou os dizeres de cartazes de manifestantes no Rio de Janeiro nos quais se lia “não ao golpe”.

Mencionando os protestos realizados em Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília, a publicação destacou que o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), além de reivindicar a suspensão do impeachment contra a mandatária, pede a realização da reforma agrária no país.

O jornal britânico The Guardian, por sua vez, publicou uma foto das manifestações do MST em Brasília em matéria sobre a reversão da decisão que anulou as sessões da Câmara dos Deputados entre 15 e 17 de abril e afirmou que "o processo de impeachment tem sido preenchido com curvas dramáticas”.

O norte-americano The New York Times publicou um vídeo sobre as manifestações ao longo de um texto sobre a decisão de Waldir Maranhão. De acordo com o periódico, "a confusa mudança de rumo foi somente o último estágio de uma crise política que tem hipnotizado e confundido a nação mais populosa da América Latina".

 

Comentários