Coligação paraguaia Frente Gausu classifica impeachment como 'grotesco complô'

Organização, à qual pertence ex-presidente Fernando Lugo, apresentou à embaixada brasileira em Assunção nota de repúdio ao trâmite que pode levar à destituição de Dilma

Redação


Clique para acessar todas as matérias e artigos de Opera Mundi Samuel sobre o processo de impeachment

A coligação paraguaia de partidos Frente Guasu, à qual pertence o ex-presidente do país Fernando Lugo, apresentou na embaixada brasileira em Assunção nesta terça-feira (10/05) uma nota de repúdio ao trâmite que pode levar ao impeachment da presidente Dilma Rousseff, classificado como um “grotesco complô”.

No documento, a entidade expressa "solidariedade com a democracia no Brasil" e manifesta "inquietação e aguda preocupação" com a situação do povo brasileiro, "do qual se quer arrebatar de forma absolutamente irregular a soberania de sua vontade".

O texto classifica o possível impeachment de Dilma Rousseff nesta quarta-feira (11/05) como um "grotesco complô". A Frente Guasu diz que o processo é uma “montagem” feita pela oposição para não perder seus privilégios "diante do claro avanço da igualdade social conseguido pelos governos de Lula da Silva e Dilma Rousseff”.
 

“É realmente inadmissível que um grupo de políticos espúrios contaminados pela corrupção pretendam derrubar um governo claramente legítimo como o da Senhora Dilma Rousseff”, diz a carta.

De acordo com a entidade, o processo contra Dilma se insere em um movimento que começou na América Latina em 2009 com o golpe de Estado em Honduras contra Manuel Zelaya e continuou em 2012 no Paraguai com a cassação de Fernando Lugo.

A Frente Guasu afirma também ter “confiança absoluta no povo brasileiro que saberá defender sua soberania” e diz que acompanhará a "luta” no país vizinho.

Comentários