Afastamento de Dilma: Argentina diz que 'respeita processo institucional' do Brasil

Chanceler publicou mensagens no Twitter; durante processo de impeachment, Buenos Aires tentou manter distância da crise brasileira

Redação


Clique para acessar todas as matérias e artigos de Opera Mundi e Samuel sobre o processo de impeachment

 

A ministra de Relações Exteriores da Argentina, Susana Malcorra, publicou no Twitter na manhã desta quinta-feira (12/05) que o governo de Mauricio Macri “respeita o processo institucional” que se desenvolve no Brasil. A mensagem veio depois da decisão do Senado de admitir o processo de impeachment e afastar a presidente Dilma Rousseff do cargo.

“Tendo em conta os acontecimentos registrados no Brasil, o governo argentino manifesta que respeita o processo institucional que se está desenvolvendo. A Argentina continuará dialogando com as autoridades constituídas para seguir avançando com o processo de integração bilateral e regional. Confiamos que o desenlace da situação consolide a solidez da democracia do Brasil”, afirmam as mensagens.

Durante todo o processo de impeachment, Buenos Aires tentou manter distância da crise brasileira. Nesta quinta, o jornal La Nacion reportou que o presidente Macri acompanhou “intermitentemente, muito atento e com claros sinais de preocupação” a votação do impeachment de Dilma, mas preferiu não emitir nenhum gesto.

Agência Efe

Governo de Mauricio Macri diz que respeita "processo institucional" do Brasil

O mandatário argentino, conta o jornal, não chegou a entrar em contato com Dilma. “Se trata de um tema de política interna e marcado nas regras de uma democracia. É uma política do governo não interferir no Brasil”, afirmou um representante da Casa Rosada ao La Nacion.

Em março, durante um encontro com o presidente dos EUA, Barack Obama, Macri foi cauteloso e disse acreditar que "o povo brasileiro sairá fortalecido" dos problemas políticos que enfrenta e esperou que isso aconteça "o quanto antes", devido ao impacto que os acontecimentos no Brasil geram na economia argentina.

Comentários