New York Times: Temer é 1º líder 'em décadas' a não ter mulheres no governo

Intitulada 'Michel Temer, presidente interino do Brasil, sinaliza mudança mais conservadora', matéria pontua falta de mulheres e negros no novo governo

Redação

O jornal norte-americano The New York Times publicou nesta quinta-feira (12/05) em seu site uma matéria em que destaca uma "possível" guinada à direita do presidente em exercício do Brasil, Michel Temer, e a ausência pela primeira vez “em décadas” de mulheres na equipe do novo governo.

“O governo do presidente [em exercício] Michel Temer pode levar a uma significativa guinada à direita no maior país da América Latina”, diz a matéria. “E ele [Temer] é o primeiro líder em décadas a não ter nenhuma mulher em seu gabinete”.

Lula Marques/Agência PT

Na equipe de ministros anunciada por Michel Temer (PMDB) nesta quinta-feira (13/05), não há mulheres ou negros 

Consultada pelo New York Times, a cientista política da USP (Universidade de São Paulo) Maria Hermínia Tavares de Almeida afirmou que a última vez em que o governo do Brasil não possuía mulheres nos principais cargos foi no início da década de 1980, época em que o país vivia uma ditadura militar. Até a ascensão de Temer, “todos os governos democráticos tiveram mulheres”, disse Almeida.

Intitulada “Michel Temer, presidente interino do Brasil, sinaliza mudança mais conservadora”, a matéria pontua que os governos do PT, comandados por Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva, foram uma “âncora de políticos de esquerda na região”, apoiando os governos da Venezuela e de Cuba e com uma iniciativa de reduzir a desigualdade social.

Nos últimos anos, segue o New York Times, eleições no continente levaram grupos mais conservadores de volta ao poder, como na Argentina e Paraguai. “Temer aparenta também estar adotando uma postura mais conservadora para seu governo, com os empresários do país o pressionando para privatizar empresas estatais e cortar gastos públicos”.

A matéria também cita a ausência de negros na equipe do presidente em exercício. “Após um longo período em que o Brasil utilizou políticas [raciais] afirmativas, críticos de Temer apontam a falta de afrobrasileiros em seu gabinete, especialmente quando cerca de 51% dos brasileiros se definem como pretos ou pardos, de acordo com o censo de 2010”.

“É vergonhoso que a maior parte das escolhas de Temer são homens brancos e velhos”, disse ao New York Times Sérgio Praça, cientista político e pesquisador da FGV (Fundação Getúlio Vargas). Praça comparou o gabinete de Temer ao do primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, em que metade dos cargos é composta por mulheres. Trudeau chegou ao poder em novembro do ano passado.

Correspondente da CNN

No Twitter, a jornalista Christiane Amanpour, correspondente internacional da emissora norte-americana CNN que entrevistou Dilma Rousseff no mês passado, criticou nesta sexta o fato de Temer não ter nomeado nenhuma mulher para chefiar um ministério.

Simon Romero, correspondente do New York Times no Brasil e jornalista que assinou a matéria sobre Michel Temer, postou nesta quinta-feira uma foto da cerimônia de nomeação dos ministros de Temer e publicou a seguinte mensagem: “Aqui está Michel Temer apresentando o novo gabinete do Brasil. Falta de diversidade impressionante (nenhuma mulher)”. Amanpour citou o tuíte de Romero e disse: “Sério?”.

Comentários