Partido indígena da Guatemala condena 'golpe à democracia' no Brasil

Oposição ao atual governo, Winaq afirmou que afastamento de Dilma 'constitui um golpe à democracia e aos processos de libertação dos povos da América Latina'

Agência Efe


Clique para acessar todas as matérias e artigos de Opera Mundi e Samuel sobre impeachment

O partido opositor da Guatemala Winaq expressou repúdio neste sábado (14/05) pela decisão "ilegítima" de afastar Dilma Rousseff como presidente do Brasil, o que a formação descreveu como "um golpe à democracia".

Roberto Stuckert Filho/PR

Partido da Guatemala expressou solidariedade à mandatária brasileira afastada em processo descrito como "golpe contra a democracia"

"Constitui um golpe à democracia e aos processos de libertação dos povos da América Latina", manifestou o partido em comunicado, no qual explica que o afastamento de Dilma corresponde a "ações coordenadas" de poderes "fáticos tradicionais e conservadores", nacionais e internacionais, que se uniram contra o povo brasileiro.

 

Winaq enviou solidariedade a Dilma Rousseff e demonstrou repulsão contra toda forma e decisão "antidemocrática", principalmente contra aquelas que "simulam exercícios democráticos e conseguem debilitar a institucionalidade incipiente dos Estados latino-americanos".

O Senado brasileiro votou na quinta-feira (12/05) a favor da abertura do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, que ficará afastada do cargo por 180 dias e substituída pelo vice, Michel Temer, até o próprio Senado decidir se destituirá ou não a petista permanentemente.

Comentários