Dilma diz que governo Temer 'fala grosso com a Bolívia e fino com os Estados Unidos'

A presidente afastada disse que o governo interino trata os países da América do Sul com superioridade, diferente da postura adotada com os norte-americanos

Redação


Clique para acessar todas as matérias e artigos de Opera Mundi e Samuel sobre impeachment

A presidente afastada Dilma Rousseff disse nesta segunda-feira (30/05) que o governo interino de Michel Temer trata os países da América do Sul com superioridade, diferente da postura adotada com os Estados Unidos.

Agência Efe

Ao participar de lançamento de livro sobre impeachment, Dilma afirmou que governo Temer trata países sul-americanos com superioridade

"Eles falam grosso com a Bolívia e fino com os Estados Unidos", disse Dilma parafraseando o cantor Chico Buarque durante um discurso no ato de apresentação do livro "Resistência ao Golpe de 2016" sobre seu processo de impeachment.

Segundo Dilma, seu governo tinha "um compromisso" com os países da América Latina, da África e com o bloco Brics (formado, além do Brasil, por Rússia, Índia, China e África do Sul).

Ao assumir o Ministério das Relações Exteriores, José Serra afirmou que a prioridade da política externa brasileira será a reaproximação com "parceiros tradicionais" como os Estados Unidos e a União Europeia, além de estreitar relações com Argentina e México.

Durante o evento, Dilma comentou também sobre a renúncia do ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, Fabiano Silveira, após o vazamento de um áudio no qual faz críticas às investigações da Operação Lava Jato.

Segundo a governante afastada, as gravações mostram que Temer queria "tornar obscura e opaca a transparência" com a criação desse ministério que antes não existia.

Na semana passada, Romero Jucá afastou-se do ministério do Planejamento depois da revelação de uma gravação em que afirmou a necessidade de “uma mudança de governo para parar tudo”, em referência às investigações.

Dilma disse que "os próprios golpistas gravados" constataram que seu processo de destituição foi impulsionado para "parar" as investigações de corrupção.

(*) Com Agência Efe

Comentários