Processo de impeachment 'fez mal' à imagem do Brasil, diz ex-presidente uruguaio Pepe Mujica

Ex-mandatário do Uruguai, que participou de evento em Curitiba, disse que país 'não merecia' repercussão causada pela votação do processo no Congresso

Redação

O ex-presidente e atual senador pelo Uruguai José Pepe Mujica afirmou, nesta quarta-feira (27/07), durante visita ao Brasil, que o processo de impeachment que levou ao afastamento temporário de Dilma Rousseff “fez mal" para a imagem do Brasil.

Em entrevista coletiva à imprensa após participar de um seminário em Curitiba, o ex-mandatário disse que o Brasil “não merecia” a repercussão causada pela votação do processo no Congresso. “A repercussão internacional da discussão [do impeachment] no Parlamento no momento da votação fez mal ao país. O Brasil é um país formidável, não merecia isso”, declarou.

Mídia Ninja

Ex-presidente uruguaio esteve no Brasil para participar de seminário da Universidade Federal do Paraná

Para o ex-mandatário, “do ponto de vista prático, a impressão é de que é uma discussão política, acima de qualquer outra consideração”.

Segundo Mujica, “fala-se publicamente como se essa decisão [afastamento definitivo de Dilma] já tivesse sido tomada, e esse gesto antecipa a decisão do Senado brasileiro".

Durante a entrevista, Mujica falou também sobre a redução da pobreza no Brasil nos últimos anos e afirmou que a saída de mais de 40 milhões da condição de extrema pobreza foi “um passo gigante”.

Sobre o crescimento de governos de direita na América Latina, Mujica disse acreditar que grande parte das conquistas da esquerda deverá permanecer. "Há contradições e disputas, mas isso é da vida. Talvez algumas conquistas se percam, mas outras serão afirmadas. Os que lutaram pela jornada de 8 horas de trabalho, os que lutaram pelo voto da mulher. Todos os avanços sociais tiveram gente na vanguarda", declarou.

Ele criticou também a presença do discurso de ódio nos debates políticos e afirmou ser necessário “conviver com a diferença”. “Não creio que o ódio possa construir nada. Sempre vai haver diferenças entre os brasileiros. Não se pode achar que não vai haver diferenças entre 200 milhões de pessoas. Mas é preciso aprender a conviver com a diferença. Tolerar-se. Aceitar-se. E digo mais, amar-se", declarou.

Mujica esteve no Brasil para participar do seminário "Democracia na América Latina", promovido pelo Laboratório de Cultura Digital da UFPR (Universidade Federal do Paraná).

Durante sua palestra, ele disse que a conjuntura atual, com o avanço de governos conservadores no continente, não pode ser vista com desânimo. “Nós aprendemos muito mais com as derrotas do que com as vitórias. É preciso levantar e começar de novo”, disse o ex-presidente, para quem a democracia "é uma luta permanente".

Segundo os organizadores, 7.000 pessoas se inscreveram para a palestra de Mujica, e, por isso, foi preciso transferir o evento para outro local, já que o anterior tinha capacidade para 500 participantes.

Comentários