Senado aprova impeachment de Dilma, mas mantém direitos políticos; Temer assume presidência em definitivo

Decisão foi tomada com 61 votos a favor, 20 contra e nenhuma abstenção; Michel Temer assume cargo até fim do mandato, em 1º de janeiro de 2019

Redação

Atualizado às 14h16

O Senado Federal aprovou nesta quarta-feira (31/08) o afastamento definitivo de Dilma Rousseff da Presidência da República. Com a decisão, tomada com 61 votos a favor, 20 contra e nenhuma abstenção, assume definitivamente o cargo o até então interino, Michel Temer.

A posse dele está marcada para as 16h.

Os senadores também decidiram, em votação separada, que Dilma manterá os direitos políticos por oito anos. Assim, ela poderá assumir cargos no serviço público – como por exemplo, o de professora em uma universidade federal – por este período. A votação teve 42 votos a favor, 36 não e 3 se abstiveram, mas eram necessários 54 votos para provocar a perca.

Marcelo Camargo/Ag. Brasil

Dilma foi definitivamente afastada da presidência, mas manteve direitos políticos

Veja, a seguir, como votaram os senadores sobre o afastamnento de Dilma Rousseff da Presidência da República:

NÃO

Angela Portela (PT-RR)  
Armando Monteiro (PTB-PE) 
Elmano Férrer (PTB-PI)  
Fátima Bezerra (PT-RN) 
Gleisi Hoffmann (PT-PR) 
Humberto Costa (PT-PE) 
Jorge Viana (PT-AC) 
João Capiberibe (PSB-AP) 
José Pimentel (PT-CE) 
Kátia Abreu (PMDB-TO) 
Lídice da Mata (PSB-BA) 
Lindbergh Farias (PT-RJ) 
Otto Alencar (PSD-BA) 
Randolfe Rodrigues (REDE-AP) 
Paulo Paim (PT-RS) 
Paulo Rocha (PT-PA) 
Regina Sousa (PT-PI) 
Roberto Muniz (PP-BA) 
Roberto Requião (PMDB-PR) 
Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) 
 
SIM

Acir Gurgacz (PDT-RO) 
Aécio Neves (PSDB-MG)
Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP)
Alvaro Dias (PV-PR)
Ana Amélia (PP-RS)
Antonio Anastasia (PSDB-MG) 
Antonio Carlos Valadares (PSB-SE)
Ataídes Oliveira (PSDB-TO)
Benedito de Lira (PP-AL)
Cássio Cunha Lima (PSDB-PB)
Cidinho Santos (PR-MT)
Ciro Nogueira (PP-PI)
Cristovam Buarque (PPS-DF)
Dalirio Beber (PSDB-SC)
Dário Berger (PMDB-SC)
Davi Alcolumbre (DEM-AP)
Edison Lobão (PMDB-MA)
Eduardo Amorim (PSC-SE)
Eduardo Braga (PMDB-AM)
Eduardo Lopes (PRB-RJ)
Eunício Oliveira (PMDB-CE)
Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE)
Fernando Collor (PTC-AL)
Flexa Ribeiro (PSDB-PA)
Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN)
Gladson Cameli (PP-AC)
Hélio José (PMDB-DF)
Jader Barbalho (PMDB-PA)
Ivo Cassol (PP-RO)
João Alberto Souza (PMDB-MA)
José Agripino (DEM-RN)
José Aníbal (PSDB-SP)
José Maranhão (PMDB-PB)
José Medeiros (PSD-MT)
Lasier Martins (PDT-RS)
Lúcia Vânia (PSB-GO)
Magno Malta (PR-ES)
Maria do Carmo Alves (DEM-SE)
Marta Suplicy (PMDB-SP)
Omar Aziz (PSD-AM)
Paulo Bauer (PSDB-SC)
Pedro Chaves (PSC-MS)
Raimundo Lira (PMDB-PB)
Reguffe (S/PARTIDO-DF)
Renan Calheiros (PMDB-AL)
Ricardo Ferraço (PSDB-ES)
Roberto Rocha (PSB-MA)
Romário (PSB-RJ)
Romero Jucá (PMDB-RR)
Ronaldo Caiado (DEM-GO)
Rose de Freitas (PMDB-ES)
Sérgio Petecão (PSD-AC)
Simone Tebet (PMDB-MS)
Tasso Jereissati (PSDB-CE)
Telmário Mota (PDT-RR)
Valdir Raupp (PMDB-RO)
Vicentinho Alves (PR-TO)
Waldemir Moka (PMDB-MS)
Wellington Fagundes (PR-MT)
Wilder Morais (PP-GO)
Zeze Perrella (PTB-MG)

 

Comentários