Enfrentamentos entre exército e grupo deixa 6 mortos na Venezuela durante exercícios militares

Segundo major-general Jesús Suárez Chourio, também foi detida uma mulher no episódio

Agência Efe

0

Todos os posts do autor

Seis pessoas morreram neste sábado (26/08) em enfrentamentos entre o exército e um agrupamento no estado Táchira, fronteiriço com a Colômbia, no marco dos exercícios militares realizados na Venezuela, informou o major-general Jesús Suárez Chourio.

"Estávamos vasculhando, patrulhando e protegendo nossa fronteira. Nesta operação, nos encontramos com um grupo gerador de violência chamado Los Rastrojos. O enfrentamento foi provocado, dando como resultado seis elementos abatidos", disse Chourio em declarações ao canal estatal "VTV".

O militar apontou que no incidente também foi detida "uma cidadã" que, segundo disse, está contribuindo com "informações valiosas para esclarecer o caso e chegar às conexões de fatos irregulares aqui na Venezuela".

O grupo "Los Rastrojos" surgiu em território colombiano após a desmobilização da organização paramilitar Autodefesas Unidas da Colômbia.

Agência Efe

Incidente ocorreu durante o final de semana de exercícios militares que ocorre no país

Chourio explicou que havia munição, material de "intendência", "um uniforme do Exército colombiano com nomes e sobrenomes" e "hierarquização e grau" em posse do grupo.

O governo venezuelano afirma constantemente que existem "paramilitares colombianos" infiltrados no país, e a fronteira foi durante anos um canal aberto para o crime organizado.

Além disso, Chourio destacou que os exercícios militares nos estados fronteiriços obtiveram "excelentes resultados".

"Vimos o alto preparo do exército em suas missões dentro deste exercício (que consiste em) pôr às ordens do sistema defensivo territorial todas as suas forças e equipamentos", disse.

O presidente Nicolás Maduro ordenou a realização de algumas práticas militares neste final de semana, após o presidente dos EUA, Donald Trump, indicar no último dia 11 de agosto que não descartava a "opção militar" contra a Venezuela.

Comentários