Governo chinês pede diálogo para solucionar crise na península coreana

País também saudou a disposição da Suíça de agir como mediador neste processo

Agência Efe

0

Todos os posts do autor

As sanções contra a Coreia do Norte não solucionarão a crise na península se outras formas de aliviar a tensão não forem abertas, advertiu, nesta terça-feira (05/09), o Governo da China, enquanto a ONU estuda uma nova e mais forte resolução contra Pyongyang após teste nuclear.

Para resolver o conflito, "a força militar nunca é uma opção e as sanções por si só não oferecem uma saída", afirmou porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Geng Shuang, em entrevista coletiva.

No entanto, Geng não esclareceu se a China apoiará uma nova rodada de sanções contra seu vizinho e se limitou a dizer que "as decisões do Conselho de Segurança dependem do resultado das discussões entre os membros" deste órgão.

 

 

Em um momento em que Estados Unidos, França e Reino Unido pedem uma resposta mais firme contra o regime norte-coreano após o teste nuclear realizado no domingo (03/09), Geng solicitou que as conversas sejam retomadas e espera que todas as partes evitem uma escalada da tensão.

Agência Efe

França, EUA e Reino Unido já pediram resposta mais firme ao governo norte-coreano


Neste momento, considera Geng, a "tendência dominante" é conseguir uma solução pela via "pacífica" e a China espera que todas as partes envolvidas sejam sensatas e "mantenham a calma", ao invés de "colocar lenha na fogueira".

Nesse sentido, o porta-voz chinês saudou a vontade da Suíça de agir como "mediador" na crise: "A China dá as boas-vindas e encoraja todas as propostas e esforços para aliviar a tensão", afirmou.

Comentários