Ao menos 23 morrem em protestos no Irã, diz mídia estatal

Governo confirmou 450 prisões desde o último sábado; manifestantes protestam contra inflação e falta de empregos na região

ANSA

Todos os posts do autor

Ao menos 23 pessoas morreram desde o início da série de protestos contra o governo do Irã, iniciada no dia 28 de dezembro, informa a mídia estatal do país nesta terça-feira (02/01).


De acordo com o sistema de jornais e televisão, duas mortes ocorreram em Najafabad, duas em Khomeinishahr, seis em Ghahderijan, três no Tuiserkan, três em Izeh, quatro em Doroud e três em Shahinshahr.

Os números não foram confirmados pelo governo que, no entanto, informou que 450 manifestantes foram presos desde o último sábado (30/12) durante os atos.

No Irã, assim como ocorre em diversos outros países, manifestações precisam de autorização das autoridades para acontecerem.

No entanto, o presidente do país, Hassan Rohani, após membros do governo ameaçarem os manifestantes, disse que o povo era "livre para protestar", mas destacou que atos de vandalismo seriam punidos.

Wikimedia commons

No Irã, assim como ocorre em diversos outros países, manifestações precisam de autorização das autoridades para acontecerem

Hoje, a chefe da Corte Revolucionária da província de Teerã, Moussa Ghazanfarabad, afirmou que algumas das pessoas detidas podem ser acusadas de "Muharebeh" (palavra que designa a 'guerra contra Deus'), um crime que prevê a pena de morte como punição.

As manifestações começaram no dia 28 de dezembro na cidade de Mashhad contra a inflação e a falta de empregos na região. No entanto, elas se espalharam rapidamente por muitas cidades iranianas e a pauta dos atos virou uma crítica a todo o governo iraniano - do aiatolá Ali Khamenei a Rohani, passando pela regra de vestimenta islâmica para as mulheres.

Os cartazes que criticavam questões econômicas passaram a ostentar frases pedindo a morte de Khamenei, a destituição de Rohani e muitas mulheres tiraram o hijab - o lenço islâmico que cobre a cabeça - para protestar.

Além disso, confrontos com a Guarda Revolucionária ficaram frequentes bem como os ataques aos prédios e carros públicos.

Comentários