EUA divulgam lista com 210 nomes ligados a Putin que podem sofrer sanções e abrem crise com Rússia

'Putin-list', como tem sido chamada pela imprensa internacional, era esperada devido a uma lei aprovada no Congresso para aplicar novas sanções contra Moscou

ANSA

0

Todos os posts do autor

O governo dos Estados Unidos divulgou na noite desta segunda-feira (29/01) uma lista com os nomes de políticos, empresários e oligarcas russos ligados ao presidente Vladimir Putin e os quais teriam se beneficiado das relações com o líder do Kremlin.

A lista, elaborada pelo Tesouro dos EUA, é composta por 210 pessoas, sendo 114 políticos e 96 oligarcas, como o magnata petroleiro Roman Abramovich, dono do Chelsea; o empresário Oleg Deripaska; e o bilionário Vladimir Potanin. Entre os altos funcionários políticos do Kremlin, estão o premier Dmitri Medvedev, o chanceler Serguei Lavrov e vários assessores e chefes da inteligência.

A "Putin-list", como tem sido chamada pela imprensa internacional, era esperada devido a uma lei aprovada no Congresso para aplicar novas sanções contra a Rússia pelas supostas interferências de Moscou nas eleições presidenciais norte-americanas em 2016. O objetivo era identificar os aliados de Putin que seriam alvo das sanções.

No entanto, o Departamento de Estado e gabinete de Donald Trump informaram que não serão impostas novas sanções à Rússia neste momento, demonstrando confiança nas restrições já aplicadas, as quais afetam a venda de armas do país.

Wikicommons

Objetivo era identificar os aliados de Putin que seriam alvo das sanções

Eu apoio Opera Mundi

Eu apoio Opera Mundi

Eu apoio Opera Mundi

Mesmo assim, o presidente da Comissão Parlamentar de Relações Exteriores da Rússia na Duma (Câmara Baixa), Leonid Slutsky, disse que a lista "complicará" as relações já tensas entre os dois países.

"A 'Putin-list', que compreende, basicamente, a administração pública inteira da Rússia e os líderes das principais corporações estatais, mina a possibilidade de um diálogo extra, que já está em seu nível mais baixo, com os EUA", disse Slutsky

"Até onde sei, não estamos em guerra. Essa publicação viola completamente todos os princípios de cooperação internacional. Não tem precedentes", advertiu.

Comentários

Leia Também