Multidão protesta na Itália contra fascismo e racismo

Cortejo ocorreu em Macerata, onde jovem atirou em negros

ANSA

0

Todos os posts do autor

A cidade de Macerata, na Itália, foi palco de um cortejo antifascista e antinazista neste sábado (10/02), em solidariedade às três pessoas feridas pelo jovem Luca Traini há uma semana. 

Com apenas 41 mil habitantes, o município localizado na região de Marche, no centro do país, reuniu uma multidão de vários cantos da Itália. Para evitar confrontos, as autoridades blindaram toda a cidade, reforçando os esquemas de segurança, além de suspenderem aulas e interromperem os serviços de transporte público.

O prefeito de Macerata, Romano Carancini, autorizou a manifestação e demonstrou apoio, mas disse acreditar que "não era o momento certo", já que o clima de tensão está elevado na cidade desde o tiroteio. "Com o coração, estarei nas ruas hoje. Mas, por coerência, reconheço que a cidade precisa respirar", comentou. No último dia 3 de fevereiro, o jovem italiano Luca Traini disparou aleatoriamente contra imigrantes negros em Macerata.

Ele justificou o ato como uma vingança pelo assassinato da também jovem Pamela Mastropietro, que foi encontrada morta e desmembrada em malas. Os principais suspeitos do crime são nigerianos, o que inflamou os ânimos de Traini, que tem ligação com a extrema-direita italiana.

Reprodução/Twitter

Manifestação antifascista, na Itália, em solidariedade às três pessoas feridas pelo jovem Luca Traini

Eu apoio Opera Mundi

Eu apoio Opera Mundi

Eu apoio Opera Mundi

As autoridades prenderam três suspeitos de envolvimento na morte de Pamela: Innocent Oseghale, Desmond Lucky e um outro jovem de 29 anos, detido na estação de Milão ontem.

O ministro do Interior da Itália, Marco Minniti, que é da legenda governista de centro-esquerda Partido Democrático (PD), fez apelos contra o fascismo e o nazismo.

"Não tem nenhuma razão que possa justificar um ato criminal de um criminoso. O único ponto de conexão entre as vítimas era a cor da pele, o que faz toda essa história ser inaceitável", disse. "O fascismo na Itália morreu para sempre e não deixou uma lembrança boa ao nosso povo", completou.

Comentários

Leia Também