Presidente do Peru é alvo de novo pedido de destituição

Trata-se da segunda moção para destituir Pedro Pablo Kuczynski apresentada pela oposição em três meses, devido a seus supostos vínculos com a Odebrecht; desta vez, processo conta com apoio do fujimorismo

Deutsche Welle

0

Deutsche Welle Deutsche WelleTodos os posts do autor

Parlamentares da oposição apresentaram nesta quinta-feira (08/03) uma moção de cassação contra o presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, por permanente incapacidade moral, devido ao seu suposto envolvimento num escândalo protagonizado pela construtora brasileira Odebrecht.

A moção recebeu 28 assinaturas de apoio, duas a mais que o mínimo requerido. O pedido é apoiado por parlamentares do Força Popular, Frente Ampla, Novo Peru, Aliança para o Progresso, Partido Aprista e independentes.

Trata-se da segunda moção de destituição contra o presidente apresentada em apenas três meses. Em dezembro, o Congresso peruano debateu um primeiro pedido, do qual Kuczynski se salvou graças à abstenção de dez legisladores do fujimorismo.

picture alliance/dpa/Agentur Andina/P. Presidencia

Kuczynski nega acusações de envolvimento em escândalo

Três dias após se salvar da destituição, Kuczynski concedeu um indulto humanitário ao ex-presidente Alberto Fujimori, condenado a 25 anos de prisão por crimes contra a humanidade. A medida levantou a suspeita de que o presidente teria feito um pacto com o parlamentar Kenji Fujimori, filho do ex-presidente, para permanecer no cargo.

A admissão da moção apresentada nesta quinta-feira será votada no plenário e posteriormente se fixará outra sessão para seu debate e votação. O pedido de destituição requer o voto de 87 legisladores, de um total de 130, para ser aprovado, e o convocado a assumir o Executivo seria o vice-presidente, Martín Vizcarra, atual embaixador do Peru no Canadá.

O parlamentar César Villanueva, do Aliança para o Progresso, disse que o Força Popular, da ex-candidata presidencial Keiko Fujimori, decidiu por unanimidade apoiar a apresentação e a admissão para debate da moção de cassação.

A primeira-ministra, Mercedes Aráoz, acusou a oposição de provocar "uma espécie de golpe de Estado" e gerar instabilidade com a apresentação da moção. Kuczynski reiterou na quarta-feira que não vai renunciar ao cargo e que não há nenhuma justificativa para sua destituição.

Odebrecht

O presidente peruano é acusado de ter recebido mais de 782 mil dólares da Odebrecht, por serviços de consultoria realizados entre 2004 e 2007. Ele nega as acusações. Os depósitos aparecem num documento da construtora brasileira que foi enviado à comissão parlamentar que investiga os desdobramentos da Operação Lava Jato no Peru.

Os pagamentos pelas consultorias da Westfield Capital, empresa de Kuczynski, aconteceram entre novembro de 2004 e dezembro de 2007, e coincidem com o período em que o presidente ocupou os cargos de ministro da Economia e, posteriormente, de primeiro-ministro, durante o governo do ex-presidente Alejandro Toledo (2001-2006).

A Odebrecht, a maior construtora da América Latina, admitiu em 2016 ter pagado subornos de mais de 785 milhões de dólares em 12 países desde 2001 – dez deles latino-americanos – para assegurar contratos de obras públicas. No Peru, entre os anos de 2005 e 2014, a empreiteira desembolsou propinas no valor de 29 milhões de dólares a funcionários do governo.

CN/efe/dpa

 

Comentários