Premiê britânica chama ataque à Síria de 'legal e moralmente correto'; oposição diz que ato foi 'questionável'

Bombardeio coordenado pelos EUA, Reino Unido e França ocorreu na última sexta-feira (13/04); Rússia e Síria negam que ataque químico tenha acontecido

Redação

0

Todos os posts do autor

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, chamou nesta segunda-feira (16/04) de "legal e moralmente correta" a ofensiva militar contra a Síria que ocorreu no último sábado (13/04). 

"O Reino Unido havia explorado todos os canais diplomáticos, mas lamentavelmente decidiu que não havia alternativa para as ações limitadas e cuidadosamente direcionadas", afirmou May durante seu discurso na Câmara dos Comuns. 

O líder trabalhista britânico Jeremy Corbyn criticou May e disse que a ação seria "legalmente questionável", porque o governo deve ser "responsável perante a este Parlamento e não aos caprichos do presidente dos Estados Unidos". Segundo ele, “o Reino Unido tem de ter um papel de líder para conseguir um cessar-fogo, não obedecer as instruções de Washington". May negou que a participação no ataque tenha ocorrido por submissão aos EUA.

EUA, França e Reino Unido lançaram mísseis contra a Síria na noite da última sexta-feira (13/04). O bombardeio foi uma resposta ao suposto ataque químico que teria ocorrido em Duma, o último reduto insurgente de Ghuta Oriental, no dia 7.

Wikimedia Commons

Premier assumiu responsabilidade por ter apoiado bombardeio antes da chegada da Opaq

Eu apoio Opera Mundi

Eu apoio Opera Mundi

Eu apoio Opera Mundi

O bombardeio começou por volta das 4h00 da madrugada na Síria (22h00 de sexta-feira em Brasília), no momento em que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciava a ação.

Legalmente, os primeiros ministros britânicos não precisam consultar o Parlamento sempre que aprovarem uma ação militar.

Otan

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Jens Stoltenberg, também se pronunciou nesta segunda-feira sobre os ataques. Segundo ele, o bombardeio contra supostas instalações militares da Síria foi uma mensagem dirigida à Rússia e ao Irã.

“A operação foi uma mensagem clara ao regime de Assad, à Rússia e ao Irã, que o apoiam. Mostrou que a opinião internacional não pode ficar sem voz”, disse Stoltenberg em entrevista à emissora turca NTV, segundo informações da Agência Efe.

O chefe da Otan disse também que o bombardeio “reduziu a capacidade da Síria de usar armas químicas e a probabilidade de que isso ocorra no futuro”.
   
Síria e Rússia negam ataque químico

A Rússia chamou de “fake news” os relatos de que um ataque químico tenha ocorrido no começo deste mês. Segundo o embaixador de Moscou na ONU, Vassily Nebenzia, o caso foi montado para tirar a atenção do envenenamento do ex-espião russo Serghei Skripal, ocorrido em Salisbury, no Reino Unido. Londres culpa a Rússia pela tentativa de homicídio, mas o Kremlin nega.

O embaixador também acusou os Estados Unidos, o Reino Unido e a França de realizarem uma campanha de "confronto" em relação à Rússia e à Síria. Por sua vez, Haley afirmou que o Conselho de Segurança deve "proteger o povo sírio" e garantir que a "Justiça seja feita".

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, afirmou que a ação ocorreu antes que os especialistas da Organização Para a Proibição das Armas Químicas (Opaq) pudessem dar um parecer técnico sobre o suposto uso de armas químicas. “Os inspetores da Opaq, que haviam chegado a Beirute (Libano), ainda teriam que se deslocar para o suposto local dos eventos”, afirmou Lavrov ao Conselho de Política Externa e Defesa da Rússia. Moscou nega que o ataque químico tenha ocorrido”, afirmou Lavrov no sábado.

O governo sírio também negou que o governo tivesse usado armar químicas e afirmou que um suposto vídeo usado para fundamentar a versão de que houve uso deste tipo de armamento foi fabricado.

(*) Com Ansa

Comentários

Leia Também