Diretor da CIA se reuniu secretamente com Kim Jong-un

Mike Pompeo esteve na Coreia do Norte para tratar de encontro bilateral entre líder norte-coreano e Trump

Deutsche Welle

0

Deutsche Welle Deutsche WelleTodos os posts do autor

O diretor da CIA e indicado para o cargo de secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, viajou recentemente à Coreia do Norte para um encontro confidencial com o líder Kim Jong-un, enquanto os dois países preparam o encontro entre Kim e o presidente americano, Donald Trump.

O presidente norte-americano confirmou nesta quarta-feira (18/04) através do Twitter a reunião entre Pompeo e Kim. "O encontro ocorreu de modo bastante suave, e um bom relacionamento se formou. Detalhes do encontro de cúpula estão sendo trabalhados agora", afirmou o presidente na rede social.

No tweet, o presidente afirmou que a reunião ocorreu "na semana passada". O jornal Washington Post, que havia revelado a notícia em primeira mão, afirmou que o encontro teria ocorrido há cerca de duas semanas, durante o feriado de Páscoa, pouco depois da nomeação de Pompeo para o Departamento de Estado.

"A desnuclearização será um grande acontecimento para o mundo, mas também para a Coreia do Norte", acrescentou Trump.

Trump "abençoa" encontro das duas Coreias

Nesta terça-feira, ao lado do primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, Trump havia dito que seu governo manteve contatos diretos e de alto nível com Kim, e que sua reunião com o líder da Coreia do Norte em maio ou junho.

"Começamos a falar com a Coreia do Norte diretamente, em níveis extremamente altos", afirmou Trump ao lado do primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, com quem se reuniu no seu clube privado de Mar-a-Lago, na Flórida.

Trump destacou que o encontro pode não ocorrer, caso "as coisas não corram bem", Ele afirmou que, no momento, cinco locais estão sendo considerados para receber a reunião, mas descartou que possa acontecer em território americano. "Existe uma grande oportunidade para resolver um problema mundial", destacou Trump.

É possível que o encontro ocorra na zona desmilitarizada na fronteira entre as duas Coreias, que será palco no no dia 27 de abril um encontro entre Kim e o presidente sul-coreano, Moon Jae-in.

Trump afirmou também que as duas Coreias têm sua "bênção" para alcançar um acordo e pôr fim à guerra que travaram entre 1950 e 1953, e que terminou com um armistício ao invés de um tratado de paz definitivo.

Eu apoio Opera Mundi

Eu apoio Opera Mundi

Eu apoio Opera Mundi

Pompeo se diz "otimista"

Em sabatina no Senado na semana passada para a confirmação de sua nomeação como Secretário de Estado, Pompeo minimizou as expectativas de que um acordo histórico seja atingido no encontro entre Trump e Kim, mas disse que poderá resultar em avanços rumo a um tratado para a redução das ambições nucleares do país asiático.

"Estou otimista de que o governo dos EUA poderá estabelecer as condições para tal, para que o presidente e o líder norte-coreano possam ter essa conversa e nos colocar no rumo de atingir os avanços diplomáticos de que a América e o mundo tanto necessitam", afirmou.

Gage Skidmore/Flickr

Pompeo se reuniu com Kim Jong-um na Coreia do Norte

O surpreendente convite de Kim a Trump foi inicialmente mediado pela Coreia do Sul. Nas últimas semanas, autoridades norte-americanas afirmaram que o regime norte-coreano estaria pronto para discutir seu programa nuclear.

Este deverá ser o primeiro encontro bilateral em mais de seis décadas de hostilidades, desde o início da Guerra da Coreia. As ambições nucleares de Pyongyang se tornaram uma ameaça crescente para os EUA.

As tensões envolvendo a Coreia do Norte se agravaram recentemente após o regime de Pyongyang realizar uma série de testes de mísseis nucleares e balísticos de longo alcance, gerando condenações da comunidade internacional e o reforço das sanções ao país asiático.

Kim, porém, iniciou uma série de esforços diplomáticos para diminuir o isolamento de seu país, com o envio de uma delegação de atletas para os Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang, na Coreia do Sul, em fevereiro.

No mês seguinte, ele se reuniu em Pequim com o presidente da China, Xi Jinping, realizando sua primeira viagem ao exterior desde que assumiu o poder, há seis anos.

RC/CN/efe/rtr/ap/afp

Comentários

Leia Também