Entidades criticam ministro italiano que disse que 'famílias gays não existem'

Fontana também disse que, além de suas próprias crenças, a lei italiana não reconhece essa formação familiar

ANSA

0

Todos os posts do autor

Em seu primeiro dia no cargo, o novo ministro da Família e da Deficiência da Itália, Lorenzo Fontana, deu uma declaração polêmica em que diz que as "famílias gays não existem" e virou alvo de questionamentos por parte de ativistas e ONGs.

"Sou católico, não escondo isso. E por esse motivo acredito e digo que as famílias são as naturais, onde uma criança deve ter um pai e uma mãe", afirmou o ministro, de 38 anos, em entrevista neste sábado (02/06) ao jornal Corriere della Sera.

Fontana também disse que, além de suas próprias crenças, a lei italiana não reconhece essa formação familiar. "Uma lei com esse propósito não existe. Devemos decodificar o que está acontecendo [nos cartórios italianos que têm registrado filhos de pais homossexuais]", criticou.

Divulgação

Novo ministro italiano diz que famílias gays não existem

O ministro jurou que nunca falou nada contrário ou agressivo aos gays, mas ressaltou acreditar que se vive em "um modelo cultural relativista", no qual "não existem as comunidades, mas sim, as famílias, que são a primeira e mais importante comunidade da nossa sociedade". Fontana, no entanto, admitiu que isso não está na sua pauta como ministro no momento e que pretende se focar a "convencer as mulheres a não abortarem".

As palavras de Fontana logo despertaram reações no ambiente político e social na Itália. O ministro do Interior e vice-premier, Matteo Salvini, do partido nacionalista Liga Norte, tentou amenizar o caso, mas tomou distância de Fontana. "Fontana é livre para ter suas ideias. Porém, elas não são prioridade e não estão no nosso contrato de governo", comentou.

"União civil e aborto não são leis em discussão. Alguma vez dissemos que mudaríamos a lei do aborto? Não", assegurou.

Por sua vez, as entidades em defesa dos direitos da comunidade LGBT reagiram. "Estou chocada em ver um ministro da Família assim distante da realidade em que vive", criticou Marilena Grassadonia, presidente da Associação "Famílias Arco-Íris".

 

Comentários