Juiz determina prisão de ex-primeira-dama de El Salvador, Vanda Pignato

Pignato é investigada em caso de lavagem de dinheiro e peculato; juiz fala em 'risco de fuga', mas ex-esposa de Mauricio Funes tem saúde debilitada

Redação

Todos os posts do autor

O juiz Salomón Landaverde ordenou nesta segunda-feira (11/06) a prisão da ex-primeira-dama de El Salvador Vanda Pignato, que era casada com Mauricio Funes (FMLN) quando este ocupava a presidência do país (2009-2014) .

Ela é acusada, junto a mais 31 pessoas, de participar de um esquema de lavagem de dinheiro e peculato, com valores que chegam a US$ 351 milhões, na época do governo do hoje ex-marido. A Procuradoria alega que Pignato recebeu vantagens indevidas do empresário José Miguel Menéndez Alvear, que seria um “testa de ferro” de Funes.

Pignato nega irregularidades e, segundo Francis Varquero, sua advogada, a decisão de Landaverde de pedir a prisão foi “surpreendente”. A ex-primeira-dama, afirma a defensora, está em estado de saúde “muito grave” e, por isso, não compareceu à audiência.

O juiz, no entanto, ordenou a prisão da ex-primeira-dama por “risco de fuga”, apesar de o próprio Ministério Público pedir penas alternativas.

Em 2015, Pignato descobriu um câncer de endométrio, que a afastou das atividades públicas – ela é secretária de Inclusão Social do país. “Ela está incapacitada, depois de estar hospitalizada no Hospital da Mulher. Foi provada a debilidade de sua saúde, mas a representação técnica sempre esteve aqui”, disse a advogada.

Advogada, Pignato foi primeira-dama de El Salvador entre 2009 e 2014. Ela nasceu em São Paulo e militou durante muito tempo no PT. Em 1992, se mudou para San Salvador, para representar o partido no país, e se tornou diretora do Centro de Estudos Brasileiros da Embaixada do Brasil na capital. A hoje secretária foi casada com Mauricio Funes até outubro de 2014.

Wikimedia Commons

Juiz salvadorenho decretou prisão da ex-primeira-dama Vanda Pignato

Reações

O pedido de prisão foi rechaçado pelo FMLN e por dirigentes do partido. "Denunciamos arbitrariedade e atitude revanchista contra a companheira Vanda Pignato. Lutadora tenaz pelos direitos das mulheres #VandaNãoEstáSozinha", afirmou o partido, por meio do Twitter.

Já para Norma Guevara, dirigente histórica do FMLN, Pignato "fez mais pela diginidade das mulheres do que jamais faria a direita". "Alcemos a voz por seu direito de não ser injustamente perseguida", afirmou.

Também líder histórica do grupo, a deputada Nídia Diaz diz que a ex-primeira-dama é "perseguida e vítima de uma trama". "Minha solidariedade ante a seu estado de saúde. Peço a Deus que a dê força nestes momentos no qual deve prevalecer um devido processo de justiça, baseada na verdade. #VandaNãoEstáSozinha", disse.

Recomendadas para você

Comentários