'Fui preso e torturado dentro da empresa', diz funcionário da VW durante ditadura; assista entrevista

Em entrevista a Opera Mundi, o ex-metalúrgico Lúcio Bellentani afirma que foi agredido em uma sala no Departamento Pessoal da Volks e só tomou conhecimento da acusação depois de um ano de prisão

Redação

"Fui preso e torturado dentro da empresa". É assim que Lúcio Bellentani, ex-metalúrgico da empresa alemã Volkswagen, resume o dia 29 de junho de 1972. Ele afirma, em entrevista a Opera Mundi, que foi preso e agredido em uma sala no Departamento Pessoal da VW e só tomou conhecimento da acusação depois de um ano detido. Bellentani era membro do Partido Comunista Brasileiro e ativista sindical quando foi preso e torturado.


“Estava na minha bancada de trabalho quando fui surpreendido com um cano de metralhadora nas costas, me pegaram, me algemaram e me conduziram para o departamento pessoal, e lá eu comecei a ser espancado e torturado, dentro da empresa. Depois fui para o DOPS [Departamento de Ordem Política e Social], onde permaneci por 8 ou 9 meses, sem registro, sem coisa nenhuma”, conta.

"Depois de um ano preso, quando foi o julgamento, fui absolvido por falta de provas. Posteriormente, fui condenado em Brasília a dois anos de prisão e acabei cumprindo um ano e oito meses, sob a acusação de ativismo sindical e organização de uma célula do Partido Comunista dentro da empresa ”, diz.

O antigo funcionário da montadora alemã também fala sobre Franz Paul Stangl, ex-oficial nazista que trabalhou no sistema de repressão da Volks. “Os documentos que levantamos sobre ele dizia que ele era um eletricista de manutenção. Mas a gente tem claro que ele foi um dos organizadores do sistema repressivo e da segurança da fábrica”, diz Bellentani.

“Ele apareceu na fábrica por volta de 1966, depois de ter trabalhado na secretaria de segurança do Rio de Janeiro. Ingressou na Volks e passou a ser o comandante de toda a segurança da fábrica, quer dizer, existia uma ligação muito íntima do Exército brasileiro com as forças nazistas”, conclui.

Leia outras reportagens de Opera Mundi sobre o caso:

Relatório final confirma colaboração da VW do Brasil com ditadura e diz que empresa era 'leal' a militares
Livro descreve como empresas alemãs usaram repressão e corrupção para atuar no Brasil; veja vídeo
Ditadura militar: Volkswagen demite historiador e agora diz que investigará arquivos na Alemanha
Volkswagen diz que esclarecerá eventuais suspeitas sobre violação de direitos humanos durante ditadura
CNV: Sistema da Volkswagen para vigiar funcionários na ditadura foi criado por criminoso nazista
Ministério Público busca elucidar participação da Volkswagen na ditadura militar no Brasil
‘Depoimento da Volks foi vazio’, diz presidente da Comissão da Verdade de SP após audiência
Citada na CNV, dona da Mercedes é questionada por acionistas sobre elo com ditadura brasileira; empresa nega
Relatório da CNV: sócios alemães pedem que Siemens explique envolvimento com ditadura brasileira

Reprodução

 Em entrevista a Opera Mundi, o ex-metalúrgico Lúcio Bellentani afirma que foi agredido em uma sala no Departamento Pessoal da Volks

Comentários

Leia Também