Trump pressionou oficiais dos EUA para planejar invasão à Venezuela, diz agência

Segundo informações da agência de notícias Associated Press, proposta de Trump foi feita durante uma reunião sobre sanções impostas pelos EUA ao governo de Nicolás Maduro

Redação

Todos os posts do autor

Em reunião ocorrida em agosto de 2017, o presidente norte-americano, Donald Trump, teria pressionado funcionários do governo dos Estados Unidos a planejar uma invasão militar na Venezuela. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (04/07) pela agência de notícias Associated Press.

A proposta de Trump teria sido feita durante uma reunião sobre as sanções impostas pelos EUA ao governo de Nicolás Maduro, e contava com a presença do ex-secretário de Estado Rex Tillerson e o antigo conselheiro de segurança nacional H. R. McMaster.

De acordo com a AP, McMaster teria se posicionado contra o presidente, expondo os riscos de uma operação militar na Venezuela, o que faria com que os EUA perdessem apoio entre os governos da América do Sul.

Por sua vez, Trump insistiu na ideia e apontou exemplos que considera bem sucedidos, como a invasão ao Panamá e a Granada durante os anos 1980.

Segundo o oficial do governo norte-americano, ouvido pela AP de forma anônima, o presidente ainda discutiu o tema no mês seguinte, em setembro, em um jantar com líderes latino-americanos.

Durante o evento, Trump teria perguntado para os chefes de governo de quatro países da América do Sul, incluindo o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, se eles tinham certeza de que a “opção militar” não era a solução para a Venezuela, ao que os governantes teriam respondido que sim. O presidente Michel Temer estava presente na reunião. “Opção militar”

Trump declarou em agosto de 2017 que não descartaria uma “opção militar” para a Venezuela e que, em sua opinião, o país se encontra em uma “bagunça muito perigosa”.

“Temos muitas opções para a Venezuela, incluindo a opção militar se necessário”, disse. “Temos tropas em todo o mundo, em lugares muito distantes, e a Venezuela não fica tão longe. As pessoas lá estão sofrendo, morrendo”, afirmou o presidente norte-americano.

Trump fez a declaração no dia 11 de agosto do ano passado, no seu clube de golfe de Bedminster, em Nova Jersey, após reunir-se com Tillerson, McMaster, e a embaixadora americana na ONU, Nikki Haley.

Comentários