EUA: após fim do prazo para reunir famílias, 700 crianças continuam separadas dos pais

Prazo para reunir famílias de imigrantes terminou nesta quinta-feira (26/07); número incluí 431 crianças que tiveram familiares deportados

Redação

ANSA ANSATodos os posts do autor

Ao fim do prazo de 30 dias dado pela Justiça para o governo Donald Trump reunir famílias de imigrantes, cerca de 700 crianças continuam separados de seus pais nos Estados Unidos.

A Casa Branca disse na última quinta-feira (26/07) que mais de 1,8 mil crianças de cinco anos ou mais foram devolvidas a seus genitores ou parentes, incluindo 1.442 entregues diretamente aos pais. No entanto, mais de 700 ainda estão longe de suas famílias.

Esse número inclui 431 crianças cujos pais foram deportados pelo governo norte-americano, que determinou a expulsão sem antes reunir os familiares. Essas crianças são de países como Guatemala, El Salvador e Honduras, origens do movimento de imigração na fronteira entre México e EUA.

Prazo para reunir famílias de imigrantes terminou nesta quinta-feira (26/07) (U.S. Customs and Border Control)

Em outros casos, o governo norte-americano diz que a reunião de pais e filhos não foi possível porque os genitores renunciaram a esse direito (120 casos) ou porque foram liberados pelos serviços de imigração e não puderam ser encontrados (94). 

"O governo continuará fazendo todos os esforços para reunir adultos elegíveis com seus filhos", disse o Departamento de Segurança Interna.
 
A separação de pais e filhos na fronteira faz parte da política de tolerância zero da gestão Trump contra a imigração, criticada nos EUA e mundo afora, principalmente por causa das imagens de crianças chorando sozinhas dentro de gaiolas. A ordem para reunir as famílias partiu de um tribunal de San Diego, na Califórnia.

Comentários