Contra cortes de Macri, manifestação marca um mês de greve universitária na Argentina

Além de professores e de alunos pelas ruas, a passeata convocada pelos seis sindicatos envolvidos no conflito deve ter a participação de militantes de outros setores, sindicais e políticos

Márcio Resende

RFI RFITodos os posts do autor

O mais extenso protesto universitário dos últimos 35 anos, desde o retorno da democracia na Argentina, leva nesta quinta-feira (30/08) milhares de pessoas às ruas de Buenos Aires. Professores e alunos saem em passeata do Congresso ao Ministério da Educação em defesa das universidades públicas e por reajustes salariais. Eles reivindicam o dobro do aumento que o governo oferece.

Em greve há quase um mês, as universidades pressionam o presidente Mauricio Macri em um momento em que a palavra de ordem é ajuste nas contas públicas. A inflação descontrolada promete transformar o país num palco de reivindicações salariais.

Na quarta semana da greve, a passeata desta quinta-feira, em Buenos Aires, parte às 17h do Congresso em direção ao Ministério da Educação. O protesto promete ser maciço. Manifestações devem ocorrer também em cidades do interior do país. Onde houver uma universidade em greve, deve haver um protesto.

Além de professores e de alunos pelas ruas, a passeata convocada pelos seis sindicatos envolvidos no conflito deve ter a participação de militantes de outros setores, sindicais e políticos, interessados em pressionar o presidente Macri. Os sindicatos prometem um plano de luta e precisam demonstrar força com a marcha de hoje.

Ao longo desta semana, as aulas foram dadas nas ruas como forma de protesto. Professores e alunos bloquearam avenidas e fizeram do asfalto uma sala de aula improvisada. São aulas ao ar livre que visam chamar a atenção para o problema.

Reivindicações contra cortes

Existe uma reivindicação salarial legítima de professores, uma reivindicação legítima de orçamento por parte de reitores e de qualidade por parte de alunos, mas também existe oportunismo político porque o governo está acuado: precisa reduzir o déficit fiscal e cortar gastos.

Ao longo desta semana, aulas foram dadas nas ruas como forma de protesto (Sebastian Januszevski/Flickr CC)

O governo começou oferecendo 15% de reajuste. Os sindicatos querem o dobro, 30%, para repor a perda com a inflação. Nesta semana, depois de uma reunião entre reitores com o próprio presidente Mauricio Macri, o governo disse que os 15% de reajuste são um piso, mas as negociações estão muito longe dos 30% reivindicados.

Os sindicatos querem ainda uma cláusula gatilho porque, se há um mês falava-se de uma inflação de 30% no país, a situação ficou ainda pior nos últimos dias e os economistas agora preveem, com sorte, uma inflação de 35%.

Greve nacional

A paralisação atinge 57 universidades públicas nacionais e 60 colégios pré-universitários, que recebem mais de um 1,5 milhão de estudantes e 170 mil professores.

O aumento salarial é a reivindicação principal, mas há também pedidos de maior orçamento, de obras e até de bolsas de estudo. 90% do orçamento destinado às universidades cobrem apenas os salários dos professores.

Em paralelo ao conflito universitário, também estão em greve as escolas da província de Buenos Aires, a mais populosa do país. Todas essas reivindicações salariais, no entanto, prometem ser a antessala de outros conflitos.

Inflação galopante

O governo previa uma inflação de 15% no começo de 2018. No meio do ano, passou a 20%. Depois, a 25%. Agora, já admite mais de 30%. Os acordos de aumentos salariais anteriores tinham uma cláusula de revisão que promete ser ativada agora.

Ontem mesmo, a Central Geral dos Trabalhadores anunciou uma greve geral no dia 25 de setembro. O anúncio veio em meio a uma nova desvalorização de 7% do peso argentino, totalizando 70% de desvalorização desde o começo da crise em abril.

O país que previa crescer 3% no começo do ano, agora prevê encolher, pelo menos, 1%. Assim, a Argentina combina recessão com inflação, um coquetel ideal para conflitos econômicos, sociais e políticos.

Recomendadas para você

Comentários