Equador: Interpol suspende ordem de extradição de Rafael Correa

Defesa de ex-presidente apontou “problema institucional” e “falta de provas” no caso; nova audiência foi marcada para o final da semana

Redação

Todos os posts do autor

A defesa do ex-presidente do Equador, Rafael Correa, anunciou nesta terça-feira (18/09) que a Interpol suspendeu “de forma excepcional” a ordem de extradição contra o político, após examinar argumentos dados pelos advogados do caso. 

Em entrevista à imprensa equatoriana, o advogado responsável, Christophe Marchand, disse que há “um problema institucional” além de indícios de que o processo legal viola os direitos fundamentais de Correa. 

“Normalmente, em nível internacional, a Interpol recebe a demanda e a executa. Aqui não, porque há razões mais importantes”, disse Marchand, referindo-se ao Conselho de Participação. O jurista também disse que o órgão internacional esta “pressionando os juízes que supervisionam o caso”. 

No mesmo dia, a juíza que monitora o caso suspendeu a audiência de pré-julgamento, onde o procurador-geral Paul Perez deveria apresentar provas contra o ex-presidente. A audiência foi adiada para esta sexta-feira (21/09), devido a erros técnicos nos arquivos do advogado geral. 

O advogado equatoriano de Correa, Caupolican Ochoa, disse à imprensa que “o advogado geral não pode levar isso a julgamento”, além de afirmar que não “há provas” contra o ex-mandatário equatoriano. 

Em sua conta pessoal no Twitter, Rafael Correa criticou a posição do procurador-geral, a quem atribuiu um “comportamento vergonhoso”, além de informar que a audiência no final da semana terá a presença de observadores internacionais. 

Pedido de prisão 

No dia 3 de julho passado, a justiça emitiu um pedido de detenção internacional contra Correa, que é acusado de participar da tentativa de sequestro do ex-deputado Fernando Balda, em 2012, na Colômbia. 

Após se apresentar ao Consulado do Equador em Bruxelas, cidade em que vive atualmente, o ex-presidente foi surpreendido por uma petição do procurador Paul Pérez, que ordenou a detenção preventiva junto à Interpol.

Pérez chegou a pedir a emissão de um alerta vermelho face ao não cumprimento da ordem de comparecimento. O ex-presidente chamou ato de "perseguição" e "farsa". 

(*) Com Telesur e Prensa Latina

Comentários