Bolívia denunciará Brasil à ONU por 'racismo de Estado'

Motivo é a declaração depreciativa sobre índios e Bolívia feita pelo deputado Rodrigo Amorim (PSL); de acordo com o vice-ministro de Descolonização boliviano, "com Bolsonaro, o racismo é uma política de Estado no Brasil"

O vice-ministro de descolonização da Bolívia, Félix Cárdenas, informou à imprensa boliviana nesta terça-feira (08/01) que denunciará o Brasil à Organização das Nações Unidas (ONU) por “racismo de Estado”, após ofensas feitas pelo deputado Rodrigo Amorim, do partido do presidente, Jair Bolsonaro

De acordo com Cárdenas, a denúncia será protocolada na Revisão Periódica Anual do órgão, quando os países membros analisam situações discriminatórias e que envolvem os direitos humanos.

O motivo é a declaração proferida pelo deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL-RJ) na última semana, quando comentava a situação da Aldeia Maracanã, no Rio de Janeiro. “Quem gosta de índio, que vá para a Bolívia, que, além de ser comunista, ainda é presidida por um índio”, disse, em tom depreciativo, o parlamentar, que é o mesmo que quebrou uma placa com o nome da ex-vereadora assassinada Marielle Franco na Praça Floriano, em frente à Câmara Municipal.

De acordo com o vice-ministro, a fala do deputado brasileiro configura “racismo de Estado” pois foi proferida por uma autoridade e se referiu a um presidente da República. “Vamos denunciar o Brasil […] por iniciar um processo de discriminação racista, especialmente contra a Bolívia, mas não apenas contra a Bolívia, mas contra todos os povos indígenas”, explicou.

Segundo Cárdenas, essa será apenas a “primeira” denúncia contra o Brasil pois o país teria adotado, com o presidente Jair Bolsonaro, o racismo como “política de Estado”. “É apenas o começo. Com Bolsonaro, o racismo é uma política de Estado do Brasil, do seu presidente e do seu governo”, declarou, logo após comentar as medidas do presidente eleito que colocam em risco a vida de dezenas de comunidades indígenas no país.

Reprodução
Vice-ministro de descolonização da Bolívia, Félix Cárdenas

Comentários