Ameaças dos Estados Unidos à Venezuela violam a Carta da ONU, diz Rússia

Para chanceler Serguei Lavrov, ameaças dos EUA, apoiadas pela oposição venezuelana, 'sem dúvida alguma' constituem 'ingerência direta nos assuntos internos de um país independente'

Redação

São Paulo (Brasil)

O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, disse nesta quarta (20/02) que as ameaças do governo dos Estados Unidos, dirigidas a militares da Venezuela, são uma “ingerência direta nos assuntos internos“ do país sul-americano e violam a Carta da Organização das Nações Unidas (ONU).

“As ameaças dos EUA, apoiadas e impulsionadas pela oposição venezuelana, que, de fato, pede diretamente uma intervenção externa, sem dúvida alguma constituem uma violação da Carta da ONU e uma ingerência direta nos assuntos internos de um país independente”, disse, durante entrevista coletiva à imprensa em Moscou.

Lavrov afirmou que o governo russo espera que prospere a inciativa do diálogo entre os atores políticos da Venezuela. “Pode-se conseguir um resultado somente através de um diálogo político inclusivo e da busca de compromissos e acordos”, disse.

Na última segunda-feira (18/02), o presidente dos EUA, Donald Trump, fez um chamado aos militares venezuelanos para que retirassem seu apoio a Nicolás Maduro e se juntassem às fileiras do deputado opositor Juan Guaidó, que se autoproclamou presidente interino do país.

Trump afirmou que, se os militares o fizessem, poderiam receber uma “anistia” por parte do governo dos EUA. Caso contrário, “perderão tudo”.

No dia seguinte, a Força Armada Nacional Bolivariana da Venezuela (FANB) divulgou um comunicado oficial, em transmissão por cadeia de rádio e televisão, reiterando “obediência, subordinação e lealdade” ao presidente Maduro.

(*) Com teleSUR

Ministério Relações Exteriores da Rússia
Lavrov: ameaças dos EUA à Venezuela são 'ingerência em assuntos internos' de um país


Comentários