Movimentos populares organizam ato em Buenos Aires em homenagem a Marielle Franco

Ato "Florescer por Marielle", que começou no Obelisco, no centro de Buenos Aires, por volta das 18h, reuniu movimentos feministas, migrantes, LGBT, negro, sindical, além de partidos políticos

Redação

São Paulo (Brasil)

Organizações políticas e movimentos sociais organizaram um ato em homenagem a Marielle Franco em Buenos Aires, capital da Argentina, nesta quinta-feira (14/03), data em que se completa um ano do assassinato da vereadora carioca e de seu motorista, Anderson Gomes.

O ato "Florescer por Marielle", que começou no Obelisco, no centro de Buenos Aires, por volta das 18h, reuniu movimentos feministas, migrantes, LGBT, negro, sindical, além de partidos políticos.

Segundo o Coletivo Passarinho, que é formado por brasileiros na Argentina e é um dos organizadores da marcha, o evento tem como objetivo se juntar a outras manifestações pelo mundo para pedir por justiça e repesito aos direitos humanos.

"Nesse contexto, a luta pela verdade e justiça para Marielle se tranforma em uma tarefa ainda mais importante. Por seus familiares, por todo povo brasileiro e por todos os líderes sociais e defensores dos direitos humanos que são perseguidos e mortos sistematicamente na América Latina", afirmou o coletivo.

Ainda de acordo com os organizadores, o assassinato de Marielle, "no contexto de um processo golpista de intervenção militar e mãos livres para grupos paramilitares no Brasil e no Rio de Janeiro em particular, comoveu o mundo, em especial o movimento das mulheres".

"Temos o direito de conhecer as engrenagens podres do sistema político no caminho da construção de uma verdade democracia", afirmam os organizadores.

Mais cedo, coletivos e movimentos populares realizaram ações pela cidade de Buenos Aires e espalharam placas com o nome da vereadora assassinada.

Personalidades políticas argentinas e ativistas do movimento "Mães da Praça de Maio" também tomaram parte do movimento e foram fotografadas com a placa da "rua Marielle Franco". 

Coletivo Passarinho
Coletivos e movimentos populares realizaram ações pela cidade de Buenos Aires e espalharam placas com o nome da vereadora assassinada

Comentários

Leia Também