Trump contradiz Departamento do Tesouro e cancela novas sanções contra Coreia do Norte

Questionada sobre decisão do republicano, secretária de Imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders, disse que 'o presidente Trump gosta de Kim'

Redação

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta sexta-feira (22/03) o cancelamento das novas sanções contra a Coreia do Norte que foram impostas pelo Departamento do Tesouro norte-americano há apenas um dia.

"Foi anunciado hoje pelo Departamento do Tesouro dos EUA que sanções adicionais de larga escala seriam adicionadas àquelas existentes contra Coreia do Norte. Eu pedi hoje para retirarem essas sanções adicionais!", escreveu Trump em sua conta no Twitter.

Segundo o jornal norte-americano Washington Post, o mandatário causou uma "confusão" com o anúncio, contrariando a decisão do Departamento do Tesouro, em um "esforço aparente para salvar o acordo nuclear de sua administração".

Ainda de acordo com o periódico, não ficaram claras quais sanções Trump se referiu. Porém, o Departamento do Tesouro havia anunciado novas sanções nesta quinta-feira (21/03) contra duas empresas navais chinesas por supostamente terem rompido sanções da ONU contra a Coreia do Norte.

Questionada sobre a decisão do republicano, a secretária de Imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders, disse que "o presidente Trump gosta de Kim e ele não acha que essas sanções sejam necessárias".

Acordo Nuclear

Segundo a Casa Branca, a segunda cúpula entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, em Hanói, no Vietnã, terminou antes do previsto e sem um acordo entre os líderes.

"Os dois discutiram várias formas para garantir a desnuclearização e as questões econômicas relacionadas. Desta vez, não se chegou a um acordo, mas suas respectivas equipes esperam manter reuniões no futuro", disse Sanders à época.

Essa foi a segunda reunião entre Kim e Trump, após a cúpula de 12 de junho de 2018, em Singapura, quando ambos se comprometeram com a desnuclearização da península coreana.

A reaproximação acontece após pesadas sanções da comunidade internacional contra o regime de Pyongyang, que desenvolveu ogivas nucleares e mísseis intercontinentais capazes de atingir os EUA.

White House/Flickr
Questionada sobre decisão do republicano, secretária de Imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders, disse que 'o presidente Trump gosta de Kim'

Comentários