'Nossa relação com a Venezuela era salutar, e a fronteira fechada criou uma crise', diz senador de Roraima

'Brasil não tem tradição e não deve interferir na política interna de outras nações, assim como não aceitamos que interfiram na nossa soberania, embora o presidente Bolsonaro esteja ajoelhado para Trump e Mike Pompeo', disse Telmário Mota (PROS-RR)

O senador Telmário Mota (PROS-RR) retornou de Caracas após a reunião com o presidente venezuelano Nicolas Maduro e o ministro das Relações Exteriores venezuelano Jorge Arreaza na segunda-feira (15/04) com a notícia da reabertura da fronteira entre os países, fechada desde fevereiro.

A disposição dos venezuelanos para o diálogo contrasta com a postura de Bolsonaro, que não hesita em flertar com a possibilidade de conflito armado contra os vizinhos.

Mota falou ao DCM:

DCM – Qual a importância de sua visita à Venezuela na condição de representante do Parlamento brasileiro ao estabelecer diálogo?

Conversei bastante com o presidente Nicolás Maduro e com o ministro das Relações Exteriores Jorge Arreaza.

O Brasil não tem tradição e não deve interferir na política interna de outras nações, assim como não aceitamos que interfiram na nossa soberania, embora o presidente Bolsonaro esteja ajoelhado para Trump e Mike Pompeo (secretário de Estado dos EUA).

Presido a subcomissão que trata do tema da Venezuela e além de ouvir o chanceler Ernesto Araújo, o ministro da Defesa Fernando Azevedo e Silva, os embaixadores do Brasil, pedimos o diálogo com as autoridades venezuelanas, que concordaram em nos receber.

Inclusive a Venezuela disponibilizou o transporte para que eu chegasse a Caracas a tempo do encontro.

Como qualifica a postura do governo federal?

O governo teve erros diplomáticos ao reconhecer um presidente que não foi eleito pelas urnas (refere-se ao autoprolamado Juan Guaidó). Outro equívoco foi oferecer uma pseudo ajuda humanitária com um caminhãozinho.

Os Estados Unidos usaram o Brasil e a Colômbia para incitar a guerra em nossa região, tudo pela geopolítica.

Quais as consequências dessa postura para brasileiros e venezuelanos que vivem em Roraima?

Quando começou a crise da Venezuela, ao invés de ajudar como fez no Haiti, o governo brasileiro trouxe a questão para dentro de Roraima, que não tem infraestrutura para aguentar uma migração tão grande. Éramos 500 mil e fomos para 600 mil.

Faltam emprego, saúde, educação e a violência aumentou em 50%. As aulas na área rural nem começaram, o transporte escolar está afetado, são 500 cirurgias pendentes, as eletivas estão suspensas, os terceirizados não foram pagos.

Como se dará a reabertura da fronteira e a estabilização da questão energética?

Está se criando um grupo de trabalho para ajustar algumas coisas para reabrir a fronteira dentro de uma semana.

Os caminhões já estão lentamente entrando e o presidente Maduro ficou sensibilizado com o tema energético e regular essa questão, assim que normalizar a estrutura interna, uma vez que o país enfrentou 13 blackouts recentes, o governo alega que houve sabotagens.

Muito se fala na crise migratória causada pela chegada de venezuelanos ao Brasil, porém não se mencionam os prejuízos que o estado de Roraima sofreu com o fechamento da fronteira.

O senhor pode falar sobre esses problemas?

Mantendo a fronteira fechada a crise tende a piorar, além de não evitar a migração.

Ao contrário, venezuelanos vêm clandestinamente pelas mãos de coiotes e não passam pela alfândega. Não fazem exame de antecedência e tem a questão sanitária, colocando em risco a saúde e a vida do povo.

A energia, as importações e exportações estão suspensas, tínhamos 85 caminhões parados. Quando chega a noite, nosso estado não tem interligação com o Brasil.

Ficamos isolados e dependemos 80% da energia que vem da Venezuela. Somos o único estado nessa condição.

53% do que vendemos vai para os venezuelanos e importamos calcário e ferro. Temos muitos universitários brasileiros que moram lá. Enfim, uma relação salutar.

Como era a relação na época em que havia maior alinhamento e parcerias estratégicas entre Brasil e Venezuela?

Existe uma relação cultural, social e de políticas públicas há mais de cem anos. Uma relação pacífica e harmônica. Além do tema comercial: em 2012 o Brasil exportou 5 bilhões para a Venezuela e importou 1 bilhão, de lá pra cá houve uma queda contínua até que em 2018 a exportação foi de 576 milhões e as importações de 176 milhões, apenas 400 milhões de superávit.

Presidencia Venezuela
Senador Telmário Mota (esq.) encontrou-se com o presidente venezuelano Nicolás Maduro

Comentários