Quem aceita Bolsonaro? Rejeitado em Nova York, presidente brasileiro planeja ida ao Texas

Em declarações à imprensa, porta-voz Otávio do Rêgo Barros afirmou que presidente deve ir, sim, aos EUA, na próxima semana, mas não a Nova York

Redação

Sputnik Sputnik

Rio de Janeiro (Brasil)

Após cancelar uma viagem que faria a Nova York para receber uma homenagem, o presidente Jair Bolsonaro deve ir a Dallas, no Texas, nos próximos dias, segundo afirmou nesta segunda-feira (06/05) o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, revelando o novo capítulo de uma novela que se arrasta há vários dias.

Na última sexta-feira (03/05), a Secretaria de Comunicação Social da Presidência informou que o chefe de Estado brasileiro havia desistido de ir à Big Apple para receber um prêmio de personalidade do ano da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, depois de uma intensa campanha contra a sua presença na cidade, com direito a críticas diretas proferidas pelo prefeito Bill de Blasio.

Nesta segunda, em declarações à imprensa, Rêgo Barros afirmou que o presidente deve ir, sim, aos EUA, na próxima semana, mas não a Nova York. O destino deve ser a cidade de Dallas, no Texas, entre os dias 14 e 16, onde poderia receber a premiação da Câmara de Comércio.

Para o professor de Relações Internacionais Pedro Costa Júnior, das Faculdades Rio Branco e da Faculdade de Campinas, do ponto de vista norte-americano, essa pequena crise envolvendo o líder brasileiro evidencia uma divisão pré-eleitoral que já afeta de alguma forma os Estados Unidos. De um lado, os democratas, como Bill de Blasio, e, de outro, os republicanos, como o presidente Donald Trump. E, segundo ele, essa disputa vai ficando mais tensa conforme se aproximam as prévias do Partido Democrata. No entanto, além disso, o especialista também aponta a própria figura de Bolsonaro como motivo para reações tão negativas à sua possível presença na maior cidade dos Estados Unidos.

"Suas declarações, sobretudo com relação aos direitos humanos, fora do Brasil, têm um peso muito grande", disse Costa Júnior em entrevista à Sputnik Brasil, citando as homenagens feitas pelo presidente ao torturador Brilhante Ustra, ao ditador chileno Augusto Pinochet e ao paraguaio Alfredo Stroessner.

De acordo com o professor, embora a grande imprensa brasileira trate Jair Bolsonaro como um político de direita, no exterior, os veículos de mídia o veem como extrema-direita, o que faz muita diferença.

"Do lado brasileiro também, nós temos também uma presidência muito controversa visitando um país já em clima pré-eleitoral."

Sobre a possibilidade de Bolsonaro ser visto nos EUA mais como um amigo de Donald Trump do que dos Estados Unidos propriamente, o especialista considera que essa proximidade indiscutível entre os chefes dos dois governos deve ser encarada com certo cuidado, já que os norte-americanos podem escolher um presidente diferente nas próximas eleições.

"Seria no mínimo prudente também articular, considerar relações mínimas aí com lideranças democratas, que podem voltar à Casa Branca", afirma interlocutor da agência.

O professou lembrou também que os EUA não têm amigos e que é muito inocente por parte da política externa brasileira esperar virar amiga dos norte-americanos:

"É preciso lembrar que os EUA não têm amigos, são declarações dos próprios norte-americanos, das lideranças norte-americanas […] Os EUA têm em primeiro lugar si mesmos, em segundo lugar si mesmos e no terceiro lugar si mesmos. Quer dizer, é muita inocência do ponto de vista da política externa brasileira achar que vai ser amigo dos americanos, de bater continência para a bandeira americana, enfim, chegar lá e dizer que ama a América, que ama a Adidas, que ama a Coca-Cola ou qualquer coisa do tipo.”

Alan Santos/PR
Bolsonaro agora cogita ir ao Texas

Comentários