Após dois meses presa, Chelsea Manning é libertada nos EUA

Ex-analista de inteligência do Exército dos Estados Unidos passou sete anos presa por vazamentos de segredos militares e diplomáticos ao WikiLeaks

A ex-analista de inteligência do Exército dos Estados Unidos, Chelsea Manning foi libertada, após passar dois meses na prisão por se negar a depor sobre a sua revelação de segredos militares e diplomáticos ao WikiLeaks, informaram seus advogados.

"Hoje marcou o vencimento do mandato do grande júri e, após 62 dias de confinamento, Chelsea saiu do Centro de Detenção de Alexandria" (Virgínia), disse sua equipe jurídica em um comunicado divulgado na noite de quinta-feira (09/05).

Chelsea, que passou sete anos presa pelos vazamentos, pode voltar à prisão, já que foi convocada para testemunhar de novo e anunciou que se recusará a fazê-lo.

"Infelizmente, mesmo antes de sua libertação, a Chelsea recebeu outra citação, o que significa que ela deve comparecer perante um júri diferente na quinta-feira, 16 de maio de 2019, apenas uma semana depois de sua libertação", explicaram seus advogados.

Portanto, "é concebível que uma vez mais seja detida por desacato ao tribunal e devolvida à custódia do Centro de Detenção de Alexandria", possivelmente nesse mesmo dia.

Em março, Chelsea Manning havia se negado a depor diante de um grande júri no Tribunal do Distrito de Virgínia e foi acusada de desacato.

Embora não se saiba exatamente o que os promotores querem perguntar a Chelsea, ela e seus advogados disseram que continuarão a se recusar a testemunhar sobre o WikiLeaks ou seu fundador, Julian Assange, preso desde o dia 11 de abril.

Chelsea Manning foi condenada a 35 anos de prisão pelas revelações ao WikiLeaks, mas sua sentença foi comutada em 2017 pelo então presidente, Barack Obama. 

Agência Efe
Ex-analista de inteligência do Exército dos Estados Unidos passou sete anos presa por vazamentos de segredos militares e diplomáticos

Comentários