Em cúpula na Rússia, Lavrov e Pompeo falam em 'restabelecer canais de diálogo'

Chanceler russo afirmou que abordou a situação da Venezuela com secretário norte-americano e disse que 'o povo é quem deve definir seu futuro'

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov se reuniu nesta terça-feira (14/05) com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, na cidade russa de Sóchi para "restabelecer canais de diálogo" entre os países.

"Concordamos sobre a importância de restabelecer os canais de diálogos com os EUA", disse Lavrov que classificou o diálogo com Pompeo como "franco e útil".

O chanceler ainda afirmou que abordou a situação da Venezuela com o secretário norte-americano e disse que "o povo é quem deve definir seu futuro".

"É muito importante que todas as forças políticas comecem um diálogo na Venezuela. O governo está disposto a fazê-lo", destacou Lavrov.

Por sua vez, Pompeo afirmou que o presidente dos EUA, Donald Trump, "busca melhorar as relações com a Rússia e que os EUA querem continuar o diálogo, uma vez que a normalização do clima político entre Washington e Moscou está entre os interesses não só dos dois países, mas de todo o mundo".

Putin

O secretário de Estado norte-americano ainda se reunirá com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, nesta terça-feira.

Segundo Moscou, Putin pretende dialogar com Pompeo sobre o controle de armas e futuros tratados, uma vez que o tratado para o controle das Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) foi suspenso pelo governo russo sob a justificativa que Washington não cumpria com suas obrigações.

O INF foi estabelecido entre a Rússia e os EUA em 1987 e proíbe a posse, produção ou teste de mísseis de cruzeiro que tenham um alcance de 450 a 5.600 quilômetros. O Tratado vinha sendo parte fundamental do controle da proliferação de armas nucleares.

Além disso, o governo russo afirmou que Putin e Pompeo conversarão sobre a situação da Venezuela.

*Com teleSur

Reprodução
"Concordamos sobre a importância de restabelecer os canais de diálogos com os EUA", disse Lavrov

Comentários