Julgamento de ex-prefeito italiano reconhecido por acolhimento a migrantes é adiado

Domenico 'Mimmo' Lucano desenvolveu projetos que auxiliavam migrantes que chegavam na cidade de Riace e criou medidas como treinamento profissional e bolsas de auxílio

Após analisar provas preliminares, o Tribunal de Locri, na Itália, resolveu adiar o julgamento do ex-prefeito da cidade de Riace Domenico Lucano previsto para acontecer nesta terça-feira (11/06). O político, acusado de supostas fraudes nas políticas de acolhimento a migrantes, voltará a ser julgado na próxima segunda (17/06).

Afastado desde outubro de 2018, Mimmo, como é conhecido o político, desenvolveu projetos que auxiliavam migrantes recém-chegados na Europa como treinamento profissional, bolsas de trabalho e realocação de casas que não estavam sendo utilizadas. Com ações para incorporar os migrantes à classe trabalhadora, a economia da cidade mostrou melhora nos índices.

Lucano é acusado de conspiração, fraude, abuso de poder, peculato, suborno e falsificação. Mimmo já havia sido condenado à prisão domiciliar em outubro de 2018 e, em seguida, obrigado a se exilar "para impedir a reincidência do crime de imigração ilegal".

Wikimedia Commons
Mimmo Lucano foi afastado do cargo da prefeitura por supostas fraudes nos projetos de migração.

O prefeito é investigado na operação "Xenia" por suspeita de ter facilitado casamentos forjados para garantir permanência de migrantes em situação irregular. Além disso, o Ministério do Interior ainda o acusa de irregularidades no uso de recursos nacionais para financiar projetos de acolhimento.

O Supremo Tribunal de Cassação do país apontou que o exílio de Lucano deveria ser proibido por não haver provas suficientes que comprovem as alegações de fraude.

Veja comentário da correspondente de Opera Mundi, Janaina Cesar, sobre o caso: 


Comentários