Multidão pede renúncia de líder de Hong Kong apesar de recuo

Vestido de preto, o grupo exige que o projeto de lei seja totalmente anulado, além da renúncia de Lam

Redação

ANSA ANSA

Pequim (China)

Cerca de 2 milhões de pessoas tomaram as ruas de Hong Kong neste domingo (16/06) em protesto contra o projeto de lei para permitir extradições para a China continental, apesar da chefe de governo, Carrie Lam, suspender o debate. 

A estimativa do número de participantes foi fornecida pelos organizadores da Frente Civil de Direitos Humanos. Vestido de preto, o grupo exige que o projeto de lei seja totalmente anulado, além da renúncia de Lam, já que os cidadãos temem o aumento da influência chinesa sobre Hong Kong.

Até o momento, os protestos permanecem pacífico. No início desta tarde, a multidão se reuniu na praça Victoria carregando flores brancas ou cartazes dizendo: "Não atirem, somos de Hong Kong".

Reprodução
Manifestantes protestam contra lei de extradição para China.

A frase é uma tentativa de evitar uma nova repressão violenta, como a registrada na última quarta-feira (12/06), quando as autoridades locais utilizaram bombas de gás lacrimogênio e balas de borracha para conter os militantes. 

Neste domingo, Carrie Lam divulgou um pedido de desculpas, um dia após adiar de forma indefinida a controversa lei de extradição.

"Muitos membros do público estão decepcionados e tristes. A chefe executiva pediu desculpas ao público e prometeu aceitar o fato com a máxima sinceridade e humildade", diz o comunicado. 

Comentários

Leia Também