Embaixada de Israel divulga foto de almoço com Bolsonaro e esconde prato servido

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, alimento servido foi o lagostim, crustáceo proibido pela religião judaica

A embaixada de Israel no Brasil divulgou nesta segunda-feira (08/07) uma foto em que apagava com um borrão escuro (que dá a impressão de ter sido feito com o aplicativo PaintBrush) o prato do almoço que o presidente Jair Bolsonaro teve com o embaixador israelense, Yossi Shelley neste domingo (07/07).

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o prato servido na ocasião foi o lagostim, crustáceo proibido pela religião judaica. A publicação gerou uma série de comentários críticos e humorísticos nas redes sociais. 

"Antes da final da Copa América entre Brasil e Peru, o presidente Jair Bolsonaro e o embaixador Yossi almoçaram juntos em Brasília. Eles irão acompanhar a partida desejando sorte para a seleção brasileira em busca de mais um título. Vai Brasil!!", disse o perfil da embaixada no Twitter.

Uma passagem de um dos livros da Torá, texto considerado sagrado pelo judaísmo, proíbe o consumo de crustáceos, afirmando que "podereis comer de tudo o que vive nas águas, seja nos mares ou nos rios, desde que tenha nadadeiras e escamas".

Reprodução/Embaixada de Israel
Segundo o jornal Folha de S. Paulo, prato servido na ocasião foi o lagostim, crustáceo proibido pela religião judaica.

Comentários