México: mudanças em cargos estratégicos acirram disputas internas no governo Obrador

Presidente elaborou plano para diminuir privilégios, no que chama de 'austeridade republicana'; saída de secretário de Fazenda abriu crise política

Desde que o governo do México, liderado pelo presidente Andrés Manuel López Obrador, aprovou seu Plano de Austeridade Republicana, disputas geraram os primeiros grandes conflitos internos da administração. O último capítulo ocorreu na terça (09/07), quando o ministro da Fazenda, Carlos Urzúa, renunciou alegando divergências com o mandatário. 

Em carta, o agora ex-ministro dirigiu duras críticas ao governo, que, segundo ele, tomou “decisões de política pública sem sustentação suficiente”. Urzúa também afirmou que a opção de abandonar o cargo é resultado da “inaceitável imposição de funcionários” sem o conhecimento da pasta.  

Aprovada no início de maio e em vigor desde o final do mesmo mês, a “austeridade republicana” resultou em uma drástica diminuição nos gastos do governo federal com a redução de salários e do número de pessoas em cargos públicos. A política, que visa acabar com privilégios, é uma promessa de campanha do mandatário mexicano.

As cisões no governo passaram a acontecer desde o início de junho, uma semana após os cortes terem sido iniciados. As primeiras baixas foram a da titular da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Naturais (Semarnat), Josefa Gonzáles Blanco, e a do diretor-geral do Instituto Mexicano de Seguro Social (IMSS), Germám Martínez. 

Embora a política de austeridade tenha como objetivo diminuir privilégios, e reverter fundos a programas sociais e à expansão das universidades, a saída de Martínez do IMSS, órgão responsável pela seguridade social e saúde, gerou críticas sobre um possível exagero na redução de gastos. 

Para o cientista político Katu Arkonada, entretanto, a movimentação no interior do governo é normal. "O México está passando por uma mudança de regimento. E isso, obviamente, traz desordem”, argumenta.

Segundo ele, o país passa por uma "austeridade republicana", que não tem nada a ver com a austeridade neoliberal, imposta pelo FMI e Banco Mundial. "É um momento de varrer do estado a corrupção estrutural e direcionar o gasto em políticas sociais. Isso também provoca tensões e é a parte que tem a ver com a renúncia de Urzúa”, completa. 

Governo do México
López Obrador defendeu cortes neste sábado e disse México conseguirá poupar US$ 26,4 bilhões

Conflito

A saída de Urzúa surpreendeu os mexicanos. O ex-ministro é um velho parceiro político de Obrador, tendo sido secretário de Finanças quando o mandatário mexicano era prefeito da Cidade do México.

Segundo Luis Hernández Navarro, editor de opinião do jornal mexicano La Jornada, a saída de Urzúa é o conflito mais grave que López Obrador enfrentou nesses sete meses de governo.

“O significativo desta denúncia não é só que ela tenha acontecido, mas a carta pública com a qual o secretário deu a conhecer sua saída do governo de López Obrador. Ali, ele faz três críticas básicas muito significativas. A primeira, que foram tomadas decisões de política pública sem sustentação suficiente, segundo, que foram colocados funcionários sem seu conhecimento. E [em terceiro lugar] que isso foi instigado por personagens com conflitos de interesse”, explica o jornalista. 

Em resposta, o presidente mexicano afirmou que Urzúa não havia entendido o plano de "austeridade republicana". Depois, admitiu que havia diferenças significativas entre ele e o ex-ministro quanto ao Plano Nacional de Desenvolvimento mexicano. 

No lugar de Urzúa, foi designado Arturo Herrera, que ocupava o cargo de subsecretário da Fazenda. O agora ministro foi alto funcionário do Banco Mundial e faz parte do mesmo grupo político de Urzúa.

Economia de US$ 26,4 bilhões 

López Obrador voltou a defender os cortes neste sábado (13/07) e disse que, com a medida e iniciativas de combate à corrupção, o México conseguirá poupar US$ 26,4 bilhões (cerca de 500 bilhões de pesos). 

Segundo ele, a austeridade irá possibilitar que o país dobre a aposentadoria dos idosos e garantirá direitos ao estudo e ao trabalho para 2,6 milhões de jovens. O mandatário declarou também que o programa tem como objetivo garantir que investimentos públicos cheguem em todo o país. 

As previsões de crescimento do país, porém, não são animadoras. O resultado do primeiro trimestre indicou uma queda de 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB). As estimativas iniciais eram a de que o PIB crescesse 2% em 2019. Agora, dificilmente chegará a 1%. Economistas falam que o país pode entrar em recessão.

Comentários

Leia Também