Israel prendeu 900 palestinos em Jerusalém só na primeira metade de 2019, mostra relatório

Segundo o porta-voz do Centro de Estudos dos Prisioneiros Palestinos , dos detidos, 300 são menores de idade, e desse total, 17 são crianças de 12 anos de idade

Redação

teleSUR teleSUR

Caracas (Venezuela)

Cerca de 900 palestinos, entre eles vários menores de idade, foram presos por forças israelenses na cidade de Jerusalém só durante o primeiro semestre de 2019, mostra um relatório do Centro de Estudos dos Prisioneiros Palestinos (PPCS).

O porta-voz do PPCS, Riad al-Ashqar, disse neste sábado (20/07) que a maior quantidade de prisões aconteceu em fevereiro e que as detenções representam um aumento “considerável” dos casos.

Foi em fevereiro que os palestinos conseguiram entrar, pela primeira vez em 16 anos, na área de Bab Al-Rahma (A Porta Dourada), que se encontra ao leste da mesquita Al-Aqsa, na cidade antiga de Jerusalém.

Mohammed Asad/Middle East Monitor
Israel prendeu 900 palestinos em Jerusalém só em 2019

Segundo o porta-voz do PPCS, dos detidos, 300 são menores de idade, e desse total, 17 são crianças de 12 anos de idade.

No total, o número de presos em todos os territórios palestinos ocupados no primeiro semestre de 2019 chega a 2.600, dos quais 43 são mulheres. Essa situação, afirma Al-Ashqar, mostra a “brutal repressão” israelense contra os palestinos nos lugares sagrados em Jerusalém.

Segundo dados gerais do PPCS, há mais de 7.000 prisioneiros palestinos nos cárceres israelenses.

Comentários